Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de novembro de 2016. Atualizado às 21h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

balanços

Alterada em 08/11 às 22h08min

Lucro líquido da Cielo no 3º trimestre soma R$ 1,052 bi, alta de 14,5%

A Cielo, que credencia lojistas para a captura de transações com cartões de crédito e débito, anunciou nesta terça-feira (8), lucro líquido de R$ 1,052 bilhão no terceiro trimestre deste ano, elevação de 14,5% na comparação com um ano antes, de R$ 918,5 milhões. Já em relação ao trimestre imediatamente anterior, quando somou R$ 1,030 bilhão, foi identificada expansão de 2,1%.
No conceito ajustado, que considera o resultado cash da Cateno, companhia fruto da associação com o Banco do Brasil, o lucro líquido da Cielo foi a R$ 1,077 bilhão de julho a setembro, alta de 14,0% em relação ao mesmo período de 2015 e de 1,9% em relação aos três meses anteriores.
"Durante o terceiro trimestre, o volume financeiro capturado desacelerou em relação ao ano e ao trimestre anterior, refletindo o cenário macroeconômico mais desafiador, como evidenciado pelo ICVA (Índice da Cielo do Varejo Ampliado), que continua apresentando contínua deterioração das vendas do varejo. Adicionalmente, a sazonalidade mais forte do produto agro (débito) no primeiro semestre contribuiu para a desaceleração dos volumes no semestre corrente", destaca a Cielo, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras.
A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da Cielo alcançou R$ 1,383 bilhão no terceiro trimestre, montante 1,5% maior que o registrado, em um ano, de R$ 1,362 bilhão. Em relação ao segundo trimestre, cresceu 2,5%. A margem Ebitda da companhia foi a 45,1% ao término de setembro, queda de 1,6 ponto porcentual (p.p.) em um ano e de 1,1 p.p. na comparação com o segundo trimestre.
Entre os meses de julho e setembro, a receita operacional líquida da Cielo alcançou R$ 3,063 bilhões, elevação de 5,0% ante um ano antes, de R$ 2,918 bilhões. Já em relação aos três meses imediatamente anteriores, quando totalizou R$ 3,069 bilhões, foi vista redução de 0,2%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia