Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de novembro de 2016. Atualizado às 18h00.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 07/11 às 19h03min

Dólar fecha em queda com confiança na eleição de Hillary Clinton

O dólar fechou em baixa nesta segunda-feira (7), com aumento da confiança na eleição de Hillary Clinton para a presidência dos Estados Unidos. No mercado à vista, o dólar negociado no balcão fechou em queda de 0,77%, aos R$ 3,2066, com mínima em R$ 3,1881 (-1,35%). De acordo com dados registrados na clearing da BM&F Bovespa, o volume de negócios somou US$ 863,586 milhões.
Em baixa desde a abertura, a divisa norte-americana alinhou-se à busca generalizada por ativos de economias emergentes. Ao longo do período vespertino, entretanto, o movimento acomodou-se à espera pelo início da votação, cujo resultado só deve ser conhecido na quarta-feira.
No segmento futuro, o contrato de dólar para dezembro encerrou em baixa de 1,07%, aos R$ 3,2240, com giro de US$ 12,463 bilhões. No menor valor do dia, chegou aos R$ 3,2115 (-1,46%).
O ânimo nos mercados financeiros foi reforçado neste início da semana pela conclusão das investigações do FBI sobre e-mails de Hillary Clinton na época em que a democrata foi secretária de Estado. O diretor do FBI, James Comey, afirmou que a candidata não deve enfrentar acusações criminais após nova análise das mensagens.
Em paralelo, as pesquisas de intenção de voto continuaram a mostrar leve vantagem de Hillary Clinton sobre Donald Trump. Cabe ressaltar, entretanto, que a diferença na maioria das consultas ficou dentro da margem de erro, apontando para disputa acirrada entre os norte-americanos.
O noticiário doméstico ficou em segundo plano, mas especialistas apontaram que também acompanham o andamento da PEC do teto de gastos no Senado e as discussões sobre uma rodada adicional de regularização de ativos mantidos no exterior.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia