Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de novembro de 2016. Atualizado às 12h51.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Telecomunicações

07/11/2016 - 12h39min. Alterada em 07/11 às 13h53min

Kassab admite que governo estuda MP para intervenção na Oi

Kassab cogitou MP, mas diz que a "prioridade" do governo é ajudar a empresa na recuperação

Kassab cogitou MP, mas diz que a "prioridade" do governo é ajudar a empresa na recuperação


MARCELO CAMARGO/Agência Brasil/JC
O ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicação, Gilberto Kassab, admitiu nesta segunda-feira (7) que o governo estuda a edição de uma medida provisória (MP) para permitir uma intervenção na Oi, que corre o risco de decretar falência. A companhia está em recuperação judicial.
Kassab, no entanto, afirmou que a "prioridade" do governo é ajudar a empresa em sua recuperação ou buscar uma solução de mercado. Ele, no entanto, disse que o governo precisa estar preparado se precisar intervir.
"Hoje essa medida provisória nada mais é do que uma preparação do governo para uma eventualidade de uma intervenção, mas o governo hoje não pretende intervir. O governo está 100% concentrado em sua ação de ajudar a Oi na sua recuperação", disse o ministro.
Segundo o jornal Folha de S.Paulo, embora a MP esteja sendo formulada para resolver os problemas da empresa, a medida contemplará também empresas de outros setores, não apenas de telecomunicação.
O plano estudado pelo governo é alterar a legislação de recuperação judicial, autorizando intervenção em casos de concessão, autorização e até permissão. Atualmente, a Lei de Recuperação Judicial só permite intervenção nos serviços prestados em regime público (concessão). O caso não atende a Oi, que também atua no ramo da telefonia fixa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia