Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 21h43.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 29/11/2016. Alterada em 28/11 às 19h26min

Fidel Castro

Líderes políticos e setores da mídia têm procurado "garimpar" virtudes na figura de Fidel Castro. Como não podem justificar quatro décadas de mandato de um ditador, marcadas por extrema opressão e absoluto aviltamento dos direitos humanos, esses simpatizantes do marxismo tentam passar uma boa imagem do ditador morto, dizendo obviedades, tais como "foi um grande líder que jamais será esquecido, deixando um legado de grandes realizações". Líder negativo também é líder e grandes realizações perversas também são realizações. Hitler, por exemplo, é considerado um grande líder, que conduziu a Alemanha e seus aliados a uma guerra suicida, que marcou os povos germânicos para sempre. No seu mandato ditatorial e beligerante, também deixou um "legado" de grandes realizações, pois realizou, por exemplo, a construção macabra dos campos de concentração, onde milhões de pessoas, a maior parte judias, foram barbaramente exterminadas como se fossem pragas de lavoura. Chega a ser petulante, por parte desses simpatizantes de Fidel Castro acharem que podem limpar a imagem manchada pelo sangue de inocentes, desse tirano que partiu, causando em sua pátria oprimida muito mais tristezas do que alegrias. (Lino Tavares, jornalista)
Extinção das Fundações
Caro colunista Affonso Ritter, a extinção das fundações encontra fortes resistências (coluna Observador, Jornal do Comércio, 28/11/2016) de quem? Certamente da população que sustenta essas fundações sem objetivo prático nenhum - a não ser dar empregos públicos a amigos - é que não é. (Paulo Roberto Favero, Porto Alegre)
Editorial
Parabéns pelo editorial Basta da ética relativizada pelos políticos no Brasil (Jornal do Comércio, 28/11/2016), que prega a punição dos que furtaram dinheiro público. Julgo, no entanto, que o mais importante seria o bloqueio e confisco imediato de seus bens do que a simples prisão. Senão, as penas acabam prescrevendo e eles e suas famílias acabam se beneficiando pouco tempo depois. Também elogio o colunista Fernando Albrecht, na mesma edição - também foi muito bom e incisivo quando diz que falta coragem para os deputados estaduais arrostarem as galerias e grupos de pressão. A grande e vergonhosa realidade é que ninguém pega junto neste País. E a minha crítica ao JC é de não repor os grandes jornalistas que vão falecendo. (Milton Telesca Barbosa)
Trânsito
Colocar mais equipamentos para flagrar motoristas correndo ou falando ao celular, o que é bem comum, é uma boa ideia. Com a popularização dos automóveis nos últimos anos, muitas pessoas acabam se entusiasmando e não respeitando a velocidade máxima nas ruas e avenidas e continuam falando ao celular enquanto dirigem. Então, multa nelas. Quanto aos motoboys, continuam passando no sinal vermelho e nem é com eles. Dia e noite. (Genoveva Amarante, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia