Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de novembro de 2016. Atualizado às 22h59.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 17/11/2016. Alterada em 16/11 às 21h23min

Frases e personagens

"Antes de anunciar propostas efetivas, tenho que me inteirar da situação financeira da prefeitura da Capital, neste final de ano e em 2017. E a questão de segurança atinge a todos nós, pois temos homicídios, furtos e roubos de veículos acima da média nacional." Nelson Marchezan Júnior (PSDB), prefeito eleito de Porto Alegre.
"O Rio Grande do Sul tem 40 empresas públicas. Não vou entrar no mérito delas, mas o Estado gasta mais do que a arrecada. É preciso fazer uma reavaliação do que o Estado quer. Será educação, saúde e segurança, certo? Está oferecendo com qualidade?" Gabriel Souza (PMDB), líder do governo na Assembleia Legislativa.
"Temos que discutir se o Estado precisa de algumas empresas e fundações. Isso é fundamental." Também Gabriel Souza.
"Uma proposta unificada dos governos estaduais incluindo reformas como a previdenciária e a tributária será levada ao Congresso Nacional em breve. Uma reunião entre os governadores para selar o texto está marcada para a próxima terça-feira, em Brasília." Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro.
"A expectativa de vida aumentou, no mundo todo se estuda contribuir mais. Se não mexermos na previdência, nenhum Estado vai parar em pé." Também Luiz Fernando Pezão.
"O projeto de autonomia do Banco Central faz parte do esforço de reformas do atual governo Michel Temer. Esse é um dos projetos, após o ajuste fiscal e da Previdência Social, de reforma para o ano que vem." Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central.
"Em 2015, R$ 192 milhões em tributos que poderiam ser doados às instituições gaúchas de assistência a criança e ao idoso acabaram indo para o governo federal. A doação é muito importante para quem atua nestas áreas e o dinheiro acaba ficando no Rio Grande do Sul, ajudando a desenvolver nossa sociedade." Milton Costa Silva, diretor-geral do Asilo Padre Cacique.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia