Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de novembro de 2016. Atualizado às 12h48.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2016

Notícia da edição impressa de 01/11/2016. Alterada em 01/11 às 13h49min

Presidente do PP na Capital comemora crescimento e diz que aliança com o PSDB começou em 2014

Krieger afirma que aproximação com PSDB foi 'natural'

Krieger afirma que aproximação com PSDB foi 'natural'


ANTONIO PAZ/JC
Juliana Mastrascusa, especial para o JC
Com um mandato consolidado na Câmara de Vereadores e atuando como líder de governo José Fortunati (PDT) desde o início de 2015, Kevin Krieger (PP) poderia ter uma reeleição garantida para o Legislativo. Entretanto o presidente do PP na Capital optou por coordenar a campanha do prefeito eleito, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), e abrir espaço para novos nomes na Casa.
"Passamos de três para quatro vereadores e um vice-prefeito. O partido nunca deu um salto tão grande depois das eleições diretas. Deu certo a nossa estratégia", avalia Krieger. O PP teve um crescimento de 25% da bancada e indicou o nome do vice-prefeito, Gustavo Paim (PP).
A aliança eleitoral entre PP e PSDB se consolidou em 2014, quando os tucanos apoiaram a candidata Ana Amélia (PP) ao governo do Estado, e o PP apoiou Aécio Neves (PSDB) à presidência.
Em 2015, um seminário interno definiu que a legenda deveria ter uma candidatura própria ou protagonismo na chapa majoritária da eleição à prefeitura da Capital.
Segundo Krieger, Marchezan foi o único candidato a deixar claro que a vaga de vice estava disponível para o PP. "Isso foi acontecendo ao natural, mais a preferência do PMDB pelo PDT de vice. Em nenhum momento eles nos disseram que tínhamos a condição de disputar o vice", explica. Além disso, o presidente do PP destaca a afinidade ideológica das duas legendas.
Sobre a formação do secretariado na Capital, Krieger afirma que as discussões devem começar na semana que vem, após um período de descanso. O vereador do PP não fala sobre cargos futuros, mas afirma que deve concorrer novamente à Assembleia Legislativa em 2018. Hoje, Krieger é suplente.
O vereador iniciou na vida política como conselheiro tutelar, entre 2001 e 2004. Em 2003, foi coordenador dos conselheiros. Também foi secretário municipal de Direitos Humanos e Segurança Urbana (2005-2008) e presidiu a Fasc (2009-2012 e 2013). Foi eleito vereador em 2008 e reeleito em 2012. Deixou a liderança do governo Fortunati no início do processo eleitoral de 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia