Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de outubro de 2016. Atualizado às 11h02.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2016

Notícia da edição impressa de 13/10/2016. Alterada em 13/10 às 11h02min

Ricardo Gomes defenderá princípios liberais na Câmara de Porto Alegre

Ricardo Gomes presidiu o Instituto de Estudos Empresariais em 2011

Ricardo Gomes presidiu o Instituto de Estudos Empresariais em 2011


ANTONIO PAZ/JC
Juliana Mastrascusa, especial para o JC
Em sua primeira eleição disputada, Ricardo Gomes (PP), 36 anos, já conquistou uma cadeira na Câmara de Porto Alegre. O político faz parte das cinco caras novas eleitas para o Legislativo e contou com o apoio de 5.822 eleitores. Advogado de formação, foi presidente do Instituto de Estudos Empresariais (IEE) em 2011, e é diretor da Rede Liberal da América Latina (Relial).
A partir de janeiro de 2017, Gomes pretende defender entre os vereadores da Capital os princípios liberais e realizar um diálogo com o Executivo sobre a redução da máquina pública. "A prefeitura deve se concentrar em fazer o básico", entende.
Dentro do município, acredita que serviços na área de transporte (Carris) e tecnologia (Procempa) da informação devem ser privatizados. Gomes apresenta ressalvas sobre a presença da iniciativa privada apenas no campo da segurança. "Vejo a segurança como dever primordial do Estado, não cabe falar em privatização, salvo serviços específicos, como de controle das penitenciárias, que poderia ser feito com parcerias público-privadas (PPPs) ou privatizando", explica. Em áreas como saúde e educação, o vereador defende que "há muito para se trabalhar com a iniciativa privada".
A proximidade de Gomes com o PP veio a partir de seu cargo como chefe de gabinete do deputado estadual Marcel van Hattem (PP), posto que exerceu até abril de 2016 e deixou para se dedicar às eleições. Na sigla, o advogado ingressou apenas neste ano, já pensando em uma possível candidatura.
Em função da afinidade política com Van Hattem, Gomes não descarta a possibilidade de apresentar projetos similares ao do colega de partido no nível municipal. Apesar disso, enxerga diferenças entre a sua postura e a do deputado.
"Muitos dos valores que eu defendo são valores que ele também tem, embora nós tenhamos alguma diferença de posição. Eu sou um liberal clássico, o Marcel tem alguns aspectos em que é moderadamente conservador", explica.
Gomes foi fundador e coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL) no Estado. Junto com Felipe Camozzato (Novo) e Ramiro Rosário (PSDB), faz parte da bancada de vereadores eleita com o apoio do grupo. "É natural que as pessoas tenham buscado referências no MBL para essa eleição. Acredito que nós três temos muito em comum por termos participado desse movimento, vamos jogar juntos em vários aspectos, mas temos as nossas diferenças", aponta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
robson 13/10/2016 09h57min
O cara q tem o comitê na 24 de outubro, onde funcionava o santander, deve ter sido muito bem apoiado...