Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de outubro de 2016. Atualizado às 22h28.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 05/10/2016. Alterada em 04/10 às 20h14min

'Não me entrego'

Ana Cecília Romeu
O coronel Jacinto Guedes da Luz, considerado um dos heróis da Revolução Farroupilha, é meu tataravô pela descendência da família Guedes. Na semana da Revolução Farroupilha, fiz reflexão sobre a história, o passado que justifica ideais e nosso Rio Grande do Sul atual.
A Guerra dos Farrapos (1835-1845), que começou a partir da proposição de melhores condições econômicas, passou a ter caráter separatista. O que se transformou em mito fundador da cultura gaúcha, ao estabelecer traços de uma identidade a partir das tradições cunhadas a liberdade e igualdade. Ainda que em outra época, regidas pela classe dominante.
Há registros da reputação de valente e audaz líder de combate de cavalaria atribuída ao coronel Jacinto Guedes da Luz. Ser descendente desse republicano e carregar um pouco dessa história no sangue acaba por sublinhar o quanto um passado nas veias pode dar sentido e iluminar o futuro. Contam que a tropa liderada por Guedes da Luz trazia na divisa inscrita nos chapéus: "Sou do Guedes! Morro seco e não me entrego!".
Hoje, meu caro Guedes da Luz, o Estado sofre não somente a causa de problemas econômicos, mas dos inúmeros desmandos e negligências. É vítima de um desgoverno que tem nos colocado num estado de quase falência em vários aspectos regidos por uma falsa batuta a orquestrar o absurdo e ainda rir dele. A ressaltar a questão da violência que tem vitimado fatalmente a muitos gaúchos. Tenho certeza de que não foi por esse Rio Grande do Sul que você e os seus lutaram. E agora, séculos depois, a nossa batalha pela sobrevivência é diária; sem lutas, sem cavalos ou armas, apenas reza.
Meu caro tataravô, que a chama gaúcha nunca se apague, que saibamos exigir com bravura o melhor aos nossos Pampas, terra tão amada! E que seus versos não sejam esquecidos: "Eu sou aquele que disse. E depois de dizer, não nego. Sou ferrenho farroupilha. Morro seco e não me entrego".
Publicitária e escritora
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia