Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de outubro de 2016. Atualizado às 18h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 31/10 às 19h35min

Ouro fecha em queda com dólar mais forte e realização de lucros

Os contratos futuros de ouro fecharam em queda nesta segunda-feira (31), em meio a um dólar mais forte e com os investidores aproveitando para realizar ganhos depois do rali da semana passada.
O ouro para dezembro, negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex) caiu 0,28%, aos US$ 1.273,10 por onça-troy.
A alta da moeda americana em relação a outras divisas consideradas fortes pesou sobre o metal precioso, uma vez que o ouro é cotado em dólar e, por sua vez, se torna mais caro para investidores estrangeiros quando a moeda sobe.
Além disso, os investidores aproveitaram para realizar os lucros depois de os preços subirem na tarde de sexta-feira, quando o Escritório Federal de Investigação (FBI, na sigla em inglês) disse ter encontrado novos e-mails ligados à investigação sobre o servidor pessoal de Hillary na época em que ela serviu como secretária de Estado do governo de Barack Obama. Alguns investidores tendem a correr para o ouro em tempos de turbulência política por considerar o metal um ativo seguro.
Apesar disso, o diretor da RBC Capital Markets, George Gero, pondera que "esses ralis movidos por eventos pontuais raramente duram".
Outro fator que coloca pressão sobre o ouro é a perspectiva de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) eleve os juros em dezembro. O metal não paga retornos aos seus investidores, por isso luta para competir com outros ativos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia