Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de outubro de 2016. Atualizado às 14h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

28/10/2016 - 15h45min. Alterada em 28/10 às 15h47min

2017 será grande ano para IPOs no Brasil, diz presidente da BM&FBovespa

Primeiro IPO desde junho de 2015, ações da Alliar começaram a ser negociadas nesta sexta-feira

Primeiro IPO desde junho de 2015, ações da Alliar começaram a ser negociadas nesta sexta-feira


BM&FBovespa/Divulgação/JC
O próximo ano deverá ser o "ano para IPOs" no Brasil e há chances de que, daqui para frente, o País volte a ter um número médio de aberturas de capital próximo ao que se via no passado, de cerca de 25, disse o presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto. Nesta sexta-feira, começaram a ser negociadas as ações da empresa de diagnósticos Alliar, o primeiro IPO desde junho do ano passado.
Segundo Edemir, a operação da Alliar demonstra que a confiança voltou ao mercado de capitais. Prova disso seria a forte presença de investidores estrangeiros na oferta, da ordem de 60% do total, segundo dados preliminares. No total, o IPO da Alliar movimentou R$ 766 milhões, em uma oferta primária e secundária.
No ano, a entrada de capital estrangeiro em Bolsa soma R$ 17 bilhões, sendo que, no melhor ano, esse montante chegou a R$ 25 bilhões.
Para 2016, o executivo disse que pode ocorrer ainda uma oferta. Na CVM há três pedidos de registro de oferta, a da Tenda, a da Sanepar, nesse caso um re-IPO, e a Log Commercial. Mas no caso dessa última, a oferta já foi empurrada para 2017. Segundo fontes, a chance maior para ofertas de ações neste ano são de subsequentes pela instrução de distribuição de ofertas restritos, que são mais flexíveis e não exigem registro junto à CVM.
O presidente da BM&FBovespa disse ainda que, como o Brasil ainda tem baixa poupança, as ofertas dependem dos estrangeiros para serem viabilizadas. Dessa forma, para o executivo, um risco para os IPOs no Brasil seria uma crise externa. A elevação dos juros nos Estados Unidos, segundo ele, já é um movimento precificado e não deve trazer maiores efeitos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia