Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de outubro de 2016. Atualizado às 15h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

previdência

Notícia da edição impressa de 27/10/2016. Alterada em 26/10 às 21h21min

STF entende que a desaposentação é ilegal

Na Corte, sete ministros votaram contra a matéria, e quatro deram parecer favorável

Na Corte, sete ministros votaram contra a matéria, e quatro deram parecer favorável


ROSINEI COUTINHO/STF/DIVULGAÇÃO/JC
Por sete votos a quatro, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou ontem a desaposentação. Com a decisão, aposentados que permanecem no mercado de trabalho não podem mais pedir a revisão do benefício, ou seja, uma pensão maior por terem contribuído por mais tempo com a Previdência Social.
Na sessão de hoje, os ministros voltam a se reunir para definir como será a aplicação da decisão em outros tribunais do País, já que muitas pessoas conseguiram o benefício nos últimos anos. Como tem repercussão geral, a decisão deverá ter implicações nos cerca de 182 mil processos que estão em tramitação na Justiça de todo o País.
Iniciado em 2010, o julgamento da desaposentação foi retomado ontem pelo plenário da Corte com o voto de Rosa Weber, que havia pedido vista. Votaram contra a desaposentação os ministros Dias Toffoli, Teori Zavascki, Edson Fachin, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Celso de Mello e a presidente da Corte, Cármen Lúcia. Já os ministros Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski votaram a favor.
O voto do ministro Celso de Mello foi responsável por formar maioria contra a desaposentação. Com o seu posicionamento, o placar ficou em seis votos contra e quatro a favor. O ministro acompanhou a tese vencedora de que cabe ao Legislativo conceder ou não a desaposentação.
A última a se manifestar foi a presidente da Corte, Cármen Lúcia, finalizando o placar em sete a quatro. O governo atuava contra a desaposentação. Em manifestação enviada ao STF, a Advocacia-Geral da União (AGU) alegou que um eventual reconhecimento pela Corte ao direito de desaposentação afetaria profundamente o equilíbrio financeiro da Previdência Social, gerando um impacto anual da ordem de R$ 7,7 bilhões, em uma estimativa considerada "conservadora" pelo próprio governo.

Sem quórum, fracassa votação de MP que restringe benefícios de segurados do INSS

O governo federal não conseguiu quórum no plenário da Câmara dos Deputados ontem para votar uma Medida Provisória (MP) que permite um pente-fino nos benefícios por incapacidade pagos pelo INSS. A economia estimada com a revisão seria de R$ 6 bilhões por ano.
O mais provável é que a MP 739/16 perca a validade, pois teria que ser votada até o dia 4 de novembro. Na próxima semana, a expectativa é de que poucos deputados venham a Brasília em razão do feriado de Finados.
O Planalto chegou a escalar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para tentar um acordo com a oposição e colocar em votação a MP. O governo estava disposto a ceder em alguns pontos, mas os opositores não aceitaram negociar. "O governo não tem número de deputados na Casa e quer nossa ajuda para votar uma MP que tira direito dos trabalhadores. Não vamos votar meia maldade", disse o líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA).
Para contornar o revés, Maia disse que pedirá ao governo o envio de um novo projeto de lei com a mesma medida. "Esperamos aprovar a tramitação em regime de urgência na semana do dia 8 de novembro. Os efeitos da MP já estão em andamento, e o governo não pode abrir mão da economia no auxílio-doença e nos benefícios de prestação continuada", disse.
Pela lei, o presidente da República não pode editar duas medidas provisórias sobre o mesmo assunto. A diferença entre uma MP e um projeto de lei é que as determinações das medidas provisórias passam a valer assim que são assinadas pelo presidente. Já o projeto de lei precisa ser aprovado pela Câmara e pelo Senado para ter validade. A rejeição da MP, porém, pode causar um imbróglio jurídico, já que muitas pessoas perderam os benefícios do INSS desde que o governo começou a fazer pente-fino no pagamento de auxílios-doença e aposentadorias por invalidez.
Em um mês, os peritos cancelaram 82% dos cerca de 5 mil benefícios analisados, segundo o Ministério do Desenvolvimento Social.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
NEI DE OLIVEIRA E SILVA 28/10/2016 16h06min
As contribuições dos aposentados que continuam a trabalhar vão, provavelmente e solidariamente, para onde? Para auto se pagarem? Para o custeio do STF ou de outra instituição pública? Para, mesmo que indiretamente, para os que usam Monteiro Lobato para justificar um voto absurdo? No julgamento percebe-se que alguns dos Anjos Guardiães Unidos repousam debaixo de uma árvore cujo fruto é conhecido como AGU, prestes a cair sobre as suas cabeças, pois tiraram uma soneca e, de repente, acordaram, mexeram nos bolsos recheados e votaram contra a pretensão dos aposentados trabalhadores que nada merecem, senão um caixão de jabuticabas, pretinhas e juridicamente podres: Eis aqui o princípio da solidariedade em um país laico e capitalista.