Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 23 de outubro de 2016. Atualizado às 21h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 24/10/2016. Alterada em 23/10 às 22h19min

SAP investe para estimular clientes a inovar

Sánchez explica como o sistema identifica as peças apresentadas

Sánchez explica como o sistema identifica as peças apresentadas


Patricia Knebel/ESPECIAL/JC
Patricia Knebel, da Cidade do México
A SAP quer mostrar para as empresas de diferentes indústrias que desenvolver aplicações inovadoras para os negócios pode ser algo simples, rápido e de baixo custo. E se os clientes ainda não estão maduros e confiantes para investir em novas tecnologias, como Internet das Coisas (IoT) e Big Data, vale disponibilizar tempo e dinheiro próprio na criação de protótipos que mostrem que isso é possível - e colocar para rodar nas empresas. Essa é uma das estratégias.
A outra é a oferta de espaços onde a multinacional possa demonstrar o futuro e como ele pode ser aplicado para os negócios de cada vertical do mercado. A ideia é encantar e marcar a viabilidade na prática dessas inovações.
É o que acontece, por exemplo, no centro de experimentação inaugurado na semana passada na sede da SAP na Cidade do México. Ali estão sendo apresentadas, em um showroom, muitas novidades que, em breve, poderão estar ativas nos clientes. Muitas delas no varejo, que cada vez mais aportará tecnologia para garantir uma melhor experiência aos consumidores. São soluções que, em sua maioria, rodam na Hana Cloud Plataform, o que permite captar dados em grandes quantidades e transformá-los em informações relevantes para os negócios.
Um exemplo é uma ferramenta que digitaliza espaços físicos para garantir que os gestores de centros de compras, como shopping centers, possam identificar o perfil de consumo das pessoas e até mesmo os motivos que estão levando a uma queda nas vendas de determinada loja.
Sensores de calor ou vibração são instalados nas áreas de trânsito de pessoas ou em espaços específicos, como o corredor de lácteos de um supermercado. Esses dispositivos captam os dados, que depois passam a ser analisados em uma aplicação específica.
Ao detectar que um restaurante reduziu em 15% as vendas, por exemplo, os gestores do
shopping podem fazer uma investigação profunda nos dados até descobrirem o que está ocasionando isso, como a chegada de um concorrente próximo, e tomar medidas para remediar a situação. "Com a digitalização de espaços, toda informação é captada em tempo real, o que permite a tomada de decisões de forma ágil e relevante", observa o especialista de soluções varejo da SAP, Camilo López.
Outra novidade que deve chegar ao mercado é uma plataforma de comércio eletrônico omni channel, em que o cliente pode interagir em diferentes canais durante o seu processo de compra. Uma das funcionalidades da Hybris Stream é a possibilidade de conectar a tela da televisão com um sistema que reconhece os itens que estão sendo mostrados por meio da frequência de áudio.
O especialista em produto SAP Hybris, Emanoel Sánchez, explica que a tecnologia identifica, pelo som da música de fundo do vídeo, cada peça que está sendo apresesentada e, imediatamente, mostra na tela do tablet o produto, com preço, opções de cores, entre outros. "A ideia é que o consumidor possa ver a roupa que o encanta ele e já receber mais informações na loja mesmo, interagindo com diversas telas. Tudo isso tem como foco melhorar a experiência de compra", comenta. A mesma peça que está estática no site de e-commerce, como uma roupa para corrida e um boné, pode ser visualizada por meio de um vídeo que mostre um estilo de vida associado a ela. Por enquanto, essa solução é apenas um protótipo.

SAP Labs quer todo time envolvido em novas aplicações

No Brasil, em São Leopoldo, fica o SAP Labs Latin America, único laboratório da multinacional na região que desenvolve soluções, local de intenso trabalho. O responsável pela área de inovação e de experiência do consumidor do Labs, Daniel Duarte, diz que é preciso mudar a mentalidade das empresas. "O grande desafio na América Latina e em outros países é mostrar que existem muitas possibilidades de inovar e que isso não precisa custar muito."
Uma das aplicações de maior destaque do time local é um projeto de agribusiness realizado em coinovação com a Stara. O sistema monitora diversos indicadores do trabalho no campo e fornece para os gestores informação em tempo real e na palma da mão, por meio de smartphones.
Duarte comenta que a Stara já monitorava dados como a velocidade do trator e quantidade de fertilizantes que deveria ser aplicado, por meio de um sistema de telemetria. Essas informações ficavam restritas aos tratores. A partir do uso de ferramentas como SAP ERP e Hana Cloud Plataform, os dados passaram a ser colocados na nuvem e, assim, se tornaram disponíveis em tempo real. Foi feita a integração com dados de meteorologia. Saber a velocidade dos ventos, por exemplo, é importante porque disso depende a correta colocação dos fertilizantes. Há situações que nem sempre o operador do trator consegue identificar. Agora, se o vento está forte, é possível pará-lo remotamente.
O projeto foi desenvolvido em um mês. "Hoje a Stara não vende mais apenas tratores aos seus clientes, mas sim máquinas com esses serviços inovadores", destaca Duarte. O sistema não é mais apenas um protótipo - já está sendo usado pela Stara e disponível para ser comercializado pela SAP para outros players interessados.
Esse é apenas um exemplo dos inúmeros projetos desenvolvidos no SAP Labs. Nenhuma inovação é trabalhada de forma isolada, comenta o executivo. "Fizemos um acordo com os diretores e todos os colaboradores das 18 áreas de trabalho do laboratório podem usar 10% do seu tempo em qualquer projeto de inovação. Com isso, não excluímos ninguém do processo de inovação", acrescenta.

Vending machine inteligente reconhece os consumidores

Tecnologia especialista em inovação da SAP, Fernando Sanchez foto Patricia Knebel
Tecnologia especialista em inovação da SAP, Fernando Sanchez foto Patricia Knebel
ESPECIAL/JC
O SAP Connected Retail, construído em cima da plataforma Hana, é uma máquina dispensadora de produtos, como refrigerante, salgadinho e chocolates. Porém, inteligente. Não existe lugar para colocar dinheiro e nem cartão. O usuário utiliza um cartão de recarga ou de crédito, aproxima do leitor NFC da máquina e o processo se inicia.
Na tela, aparecem as opções de produtos disponíveis; basta clicar e pronto. Um sensor identifica se o produto realmente caiu. Caso tenha acontecido algum problema, não é preciso chacoalhar e chutar a máquina, como acontece com os mais irritados com as vending machines tradicionais. O dinheiro é devolvido e o consumidor pode acompanhar todo processo na tela.
Outro grande diferencial é que, por ser um sistema inteligente, cada vez que o usuário passar o cartão, a máquina o identifica e passa a registrar as suas preferências de compra. "A partir desse conhecimento adquirido, o sistema pode dar sugestões de produtos e até fazer promoções personalizadas", explica o especialista em inovação da SAP, Fernando Sanchez.
A SAP possui vários desses equipamentos instalados em suas sedes globais, inclusive no SAP Labs Latin América, em São Leopoldo, disponível para os visitantes.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia