Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de outubro de 2016. Atualizado às 17h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

18/10/2016 - 18h32min. Alterada em 18/10 às 18h33min

Aneel aprova redução em tarifas da CPFL Piratininga, Bandeirante e Celg

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (18), uma redução média de 24,18% nas tarifas da CPFL Piratininga. Para consumidores conectados à alta tensão, a queda será de 30,22%, e para a baixa tensão, a diminuição será de 19,48%.
As novas tarifas vigoram a partir de 27 de outubro e foram aprovadas no processo de reajuste tarifário da companhia. A CPFL Piratininga atende a 1,5 milhão de consumidores em Santos, Sorocaba, Jundiaí e outros 24 municípios paulistas.
A Aneel também aprovou uma redução média de 23,53% nas tarifas da distribuidora Bandeirante Energia. Para consumidores conectados à alta tensão, a queda será de 28,64%, e para a baixa tensão, o recuo será de 19,51%.
As novas tarifas vigoram a partir de 23 de outubro. A Bandeirante pertence ao grupo EDP e atende a 28 municípios paulistas nas regiões do Alto do Tietê, Vale do Paraíba e Litoral Norte.
A agência ainda aprovou uma redução média de 9,53% nas tarifas da distribuidora goiana Celg. Para consumidores conectados à alta tensão, a queda será de 10,77%, e para a baixa tensão, o recuo será de 8,85%.
As novas tarifas vigoram a partir de 22 de outubro. A Celg atende a 2,7 milhões de consumidores em 237 municípios no Estado de Goiás. A empresa pertence à Eletrobras (51%) e ao governo goiano (49%) e deve ser privatizada até o fim deste ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia