Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de outubro de 2016. Atualizado às 21h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 19/10/2016. Alterada em 18/10 às 21h40min

Com novo centro, SAP reforça core digital

Rafa Sanchez destaca o papel estratégico da plataforma SAP Hana

Rafa Sanchez destaca o papel estratégico da plataforma SAP Hana


Patrícia Knebel/Especial/JC
Patricia Knebel, da Cidade do México
A guinada nos negócios que a economia digital tem obrigado as empresas de todos os segmentos a fazer é tema dominante hoje em qualquer discussão que envolva tecnologia e o mundo corporativo. De um lado, fornecedores de Tecnologia da Informação (TI) com suas soluções. De outro, CEOs e CIOs sem saber exatamente o que e quando migrar, e a intensidade dessa mudança.
De fato, não é um dos cenários mais fáceis. "A economia digital é tão disruptiva como a descoberta do fogo e como a revolução industrial", aponta o presidente da SAP México, Rafa Sanchez. A empresa inaugurou ontem o seu centro de experiência na Cidade do México.
No SAP Labs Latin America, em São Leopoldo, a empresa já possui um centro como esse, porém, com ainda mais tecnologias para degustação dos clientes. No México, o espaço permite que os clientes interajam de forma lúdica com soluções inovadoras - muitas das quais são apenas protótipos. É o caso de uma aplicação de realidade virtual do SAP Digital Boardroom - plataforma que permite aos gestores tomarem decisões estratégias e até prever cenários futuros a partir de um painel de informações com dados dos negócios. A SAP tem duas operações no México - a outra fica na cidade de Monterrey.
Há 43 anos no mercado e com cerca de 300 mil clientes globais, a gigante alemã encara o desafio de se transformar e, a partir disso, apoiar a evolução dos negócios dos usuários das suas soluções. A corporação, que nasceu como fornecedora de ERP, tem feito um esforço grande nos últimos anos para deixar de ser apenas uma empresa de backoffice e evoluir para ser o parceiro tecnológico capaz de fornecer as soluções que os seus clientes buscam nesse momento de transformação.
O avanço, relata Sanchez, está sendo suportado pela plataforma SAP Hana, que capitaliza todas essas mudanças, e por aquisição de uma série de empresas, muitas delas especializadas em serviços na nuvem. "O desafio é integrar todas essas novas aplicações que passaram a fazer parte do nosso portfólio e oferecer uma solução completa, do início ao fim, aos clientes."
Aliás, oferecer sistemas de forma imediata, integrados e inteligentes são os três "Is" que estão norteando a estratégica da SAP. "Imagine o usuário solicitar um Uber e a empresa levar 40 minutos para calcular a sua rota? Isso é algo inviável. O cliente hoje é rei e cada vez mais tem demandas imediatas e que precisam ser atendidas", observa o executivo.
A estratégia de reforçar esse papel está baseada justamente na plataforma SAP Hana, responsável por fazer a conexão com quatro pilares definidos pela gigante alemã como decisivos para esse processo de transformação: Internet das Coisas (IoT) e Big Data; força de trabalho, experiência dos consumidores; e parceiros e fornecedores. "Integrar todos os processos de negócios com esses quatro pilares requer um core digital, ou seja, conseguirmos oferecer sistemas em tempo real, fazer predições ágeis e melhorar a experiência dos consumidores", acrescenta o diretor de pré-vendas da SAP, Maurício Alvarado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia