Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de outubro de 2016. Atualizado às 04h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Missão à Europa

Notícia da edição impressa de 17/10/2016. Alterada em 18/10 às 05h40min

Montagem do Medical Valley avança no Rio Grande do Sul

Missão governamental gaúcha desembarcou ontem na Alemanha

Missão governamental gaúcha desembarcou ontem na Alemanha


Luiz Chaves/Palácio Piratini/JC
Patrícia Comunello
A instalação de uma operação do Medical Valley, um dos grandes centros de pesquisa e tecnologia em saúde na Alemanha, avança no Rio Grande do Sul. Acordo a ser assinado hoje entre a universidade que lidera o Medical Valley, na Bavária, e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao governo federal, vai oficializar o projeto, prevendo inclusive aporte de verbas das duas instituições. No lado alemão, a Universidade Erlangen-Nürnberg, lidera a ação do polo de desenvolvimento. 
A aceleração do projeto em inovação na saúde é uma das apostas da comitiva gaúcha que desembarcou ontem na Europa para uma missão de seis dias, destacou o governador José Ivo Sartori (PMDB). O Medical Valley será um dos promotores de ações para impulsionar a formação do cluster na área, que já une governo, Badesul e universidades, além de empresas e startups. 
"É importante explicar que o Medical vai auxiliar na composição do cluster e era importante formalizar esse acordo", reforça o professor da universidade alemã e coordenador da negociação para a implantação do projeto, Tobias Zobel. Sartori (PMDB) afirmou que espera avanços, justamente com a assinatura do acordo. "Precisamos construir isso com calma, com as áreas de ciência e tecnologia, economia, agropecuária. O foco principal e a saúde. O Medical Valley pode ser aporte importante para o Estado", afirmou Sartori.
Na noite de ontem, um jantar com mais de 500 participantes entre empresários, dirigentes empresariais e de governo foi oferecido pelo Ministério da Economia, Ciência e Sociedade Digital do estado da Turíngia, abrindo a agenda do 34o Encontro de Economia Brasil e Alemanha, em Weimar. O cônsul alemão no Estado, Stefan Traumann, esteve ao lado do governador na cerimônia. 
A presidente do Badesul, Susana Kakuta, que também integra a missão, adiantou que a universidade onde foi estruturado o Medical Valley vai ainda conceder também hoje ao Estado o certificado de "partner premium". Susana destaca que o polo da Bavária é considerado o mais importante da Europa em semicondutores, ótica e TI voltados à saúde. "Na Alemanha, os polos são especializados em cada área. Erlangen é o mais importante nestes segmentos de desenvolvimento", pontuou a presidente do Badesul, que espera estabelecer contatos com empresas e outros centros de desenvolvimento para futuras cooperações e investimentos. 
O governador citou ainda que a relação com os alemães em outras áreas da atividade econômica vem sendo trabalhada há muito tempo em encontros, como o realizado em Santa Catarina em 2015, o que acontece agora e outro que ocorrerá em 2017 no Rio Grande do Sul.
"Virão ao Estado mais de 600 empresários", citou Sartori, lembrando que o Estado é atrativo para investir, graças a uma posição estratégica. Na França, segunda parada da agenda, estão previstos encontros com Carrefour e Lactalis. A nova fronteira a ser aberta é com a Itália. "Não se conquista isso sem relacionamento", justifica o governador, sobre a importância da missão. O secretário estadual de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, Fábio Branco, confirma que a missão prioriza o Medical Valley.
“Queremos sair daqui com a criação de um comitê gestor alinhada”, diz Branco. A meta é trocar experiências e metodologias para organizar o polo no Estado e dar mais forma ao cluster de saúde. Segundo o secretário, o acordo entre Capes e a universidade alemã abrirá caminho para mais ações do cluster. Um comitê gestor deve ser criado para guiar a estruturação do polo. 

Missioneiras

> Atrás de negócios
O segundo dia da missão, nesta segunda-feira, mergulha em tratativas e troca de experiências e networking entre entidades alemãs e brasileiras, no 34º Encontro Econômico Brasil-Alemanha, em Weimar, cidade que fazia parte da Alemanha Oriental, antes da queda do muro, em 1989. Além de agendas empresariais, o governo gaúcho trata de interesses para estabelecer modelo de Medical Valley. No giro regional, tem intercâmbio de secretarias e Cientec com projetos em gaseificação usando carvão.
> Aporte lácteo
Na quinta-feira, o governador se reúne com a cúpula da francesa Lactalis, em Paris. Na pauta, a expectativa de confirmar mais investimentos da indústria, que hoje é a maior processadora de leite do Estado, e quase 10% no Brasil. Marcas como Batavo e Parmalat são da francesa. Ampliação de plantas gaúchas estão em marcha, que pode aumentar em mais de 40% a capacidade.
> Do jeito alemão
Uma das marcas alemãs na área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) é a relação próxima das empresas privadas, principalmente as indústrias, com os centros de pesquisa. Quanto mais projetos da chamada pesquisa aplicada, mais recursos são drenados para mover os grupos que fazem inovação em diversos segmentos científicos locais. Este modelo está no radar de representantes de instituições que integram a missão gaúcha. O presidente da Fundação de Ciência e Tecnologia Cientec, Marc François Richter, diz que a ideia é entender como eles (alemães) funcionam. A comitiva visitará centros de pesquisa e universidades locais para observar e verificar a possibilidade de interação para ampliar e criar mecanismos de produção com o setor privado.
 

CNI defende cinco acordos entre Brasil e Alemanha

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) apresenta amanhã, durante o 34º Encontro Econômico Brasil-Alemanha (EEBA), em Weimar, na Alemanha, os temas de interesse da indústria brasileira para melhorar o ambiente de negócios entre os dois países, aumentar o fluxo de comércio e investimentos, e para ampliar as parcerias estratégicas.
O EEBA é organizado pela CNI e sua contraparte alemã Bundesverband der Deutchen Industries (BDI), que, desde 1982, promovem debates para estimular o desenvolvimento comercial e a cooperação financeira entre os dois países. Com edições alternadas entre cidades brasileiras e alemãs, o evento, que, neste ano, tem como tema "Novo rumo para o Brasil: oportunidades de cooperação bilateral", será realizado entre os dias 16 e 18 de outubro. A CNI defende que os dois países fechem cinco acordos para melhorar o ambiente de negócios.
O primeiro acordo é relativo ao compartilhamento de exame de patentes (PPH), para assegurar a cooperação entre escritórios de propriedade intelectual. Outro documento visa evitar a dupla tributação. A associação entre o Mercosul e a União Europeia, um acordo de transportes aéreos entre Brasil e União Europeia, e o reconhecimento mútuo entre os programas de Operador Econômico Autorizado (OEA) também foram lembrados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia