Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de outubro de 2016. Atualizado às 12h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

16/10/2016 - 15h49min. Alterada em 16/10 às 15h49min

Recuo da inflação vai permitir corte dos juros nos próximos meses, diz Serra

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, disse que a queda dos índices de preços pode levar à redução das taxas de juros "nos próximos". "Vai acontecer, dadas as condições atuais de retração da inflação e alguns casos como o da Petrobras", complementou, referindo-se ao anúncio, pela estatal, da redução do preço da gasolina e do diesel a partir deste sábado, 15. O Comitê de Política Monetária, que decide a taxa básica de juros do País, a Selic, concluirá sua próxima reunião na quarta-feira, 19.
Em participação na Cúpula dos Brics, na Índia, Serra também elogiou o esforço do governo Temer para aprovar a PEC do Teto de Gastos, que restringe o crescimento das despesas da União à inflação do ano anterior. Ele afirmou que, "no atacado", a adoção do teto é positiva, sobretudo do ponto de vista da política fiscal e das expectativas dos agentes econômicos. A proposta foi aprovada em primeiro turno na Câmara e deve passar por mais uma entre os deputados e duas entre os senadores.
"Tendem a melhorar muito as expectativas, que são uma condição para o crescimento. É preciso também ter outras condições de financiamento, abertura de comércio, para que haja crescimento", apontou o ministro.
Na avaliação do chanceler, a economia vai logo entrar numa nova rota de retomada de expansão com a política do governo de buscar o reequilíbrio fiscal e recuperar a área social, que segundo ele foi muito prejudicada com a recessão. "Para adiante temos que atrair o investimento, que é o que vai gerar emprego, mais renda receita governamental. A prioridade é o investimento", destacou Serra. " Não é por menos, aliás, que insistimos aqui com a Índia para concluir o acordo de facilitação de investimentos e estamos fazendo isso por toda a parte. Isso é fundamental."Mais cedo, Michel Temer havia dito que a superação da crise econômica brasileira está 'desenhada': "será a combinação da responsabilidade fiscal com a responsabilidade social". "Promoveremos, sim, o ajuste das contas públicas. Estamos estabelecendo um teto de gastos, que será inscrito na própria Constituição", disse Temer. O presidente destacou que o governo enviará ao Congresso em breve uma proposta de reforma da Previdência Social, a fim de tornar o sistema de benefícios para quem se aposenta "sustentável e mais justo".
A Declaração de Goa, o comunicado final da VIII Cúpula dos Brics defendeu o uso de todos os instrumentos de gestão macroeconômica, como os monetários e fiscais, sejam eles adotados de forma individual ou conjunta, para que os países membros do grupo possam atingir o objetivo de crescimento forte, sustentável e inclusivo. "A política monetária continuará a apoiar a atividade econômica e assegurar a estabilidade dos preços, de forma consistente com os mandatos dos bancos centrais", destaca o documento.
"Contudo, a política monetária sozinha não pode gerar o crescimento sustentável e equilibrado", aponta a declaração dos Brics, ao ressaltar o papel essencial de reformas estruturais. "Enfatizamos que as políticas fiscais são igualmente importantes para apoiar nossos objetivos comuns de crescimento." O texto aponta também que efeitos colaterais de políticas adotadas por países avançados podem trazer impactos adversos às perspectivas de expansão do PIB de economias emergentes.
"Reconhecemos a necessidade do uso de medidas na área de política tributária e gastos públicos numa forma mais amigável ao crescimento, considerando o espaço fiscal disponível, a fim de promover inclusão e garantir a sustentabilidade da dívida como proporção do PIB."
O comunicado dos Brics também destacou a importância de investimentos públicos e privados em infraestrutura, incluindo conectividade, para viabilizar o crescimento sustentável no longo prazo. Neste contexto, foi citada a relevância de adoção de mecanismos de financiamento para estes projetos de longa maturação, com o apoio de bancos multilaterais de desenvolvimento.
"Destacamos a aprovação dos primeiros financiamentos do Novo Banco de Desenvolvimento, particularmente em projetos de energia para os países dos Brics", apontou a documento. "Estamos satisfeitos que o Acordo Contingente de Reservas tem fortalecido a rede de proteção financeira global."
A declaração fez uma menção sobre a eventual criação de uma agência de classificação de risco para atuar junto ao grupo formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. "Avaliamos como bem-vinda a posição de especialistas sobre a possibilidade de definir uma agência de rating independente dos Brics, orientada por princípios de mercado, com o objetivo de fortalecer de forma adicional a governança global."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
joão de deus ferreira 16/10/2016 21h50min
nSEGREGARn SEGREGAR é separar nitidamente com o fim de isolar e evitar contato, marginalizar, secretar, pôr-se a margem de afastar-se.n ESSA é a história que os grandes jornais Brasileiros não querem contar na integra, por vários motivos de sobrevivência da grande crise que se instalou em nosso País. Mais os jornais estrangeiros estão com prato cheio.n PAÍSES vizinhos estão mais preocupados com o Brasil, até por que eles estão vendo o que está acontecendo na América Central, a violência urbana na américa Central, provoca onda de migração em massa, que estão vivendo dias difíceis e noites sem dormir, esperando o pior.n BRASIL precisamente no Estado do Pará a bruxa está solta, é morte todos os dias, roubo, furto, sequestro, roubo a bancos, e escolas, a situação está cada vez mais difícil, e além de todos esses atos, os meliantes não tem medo das câmeras.n O GOVERNO E PREFEITURA do RIO GRANDE DO SUL, estão instalando câmeras no centro rico de porto alegre e esqueceram de lembrar das periferias, que produz as riquezas de porto alegre. Bem como porto alegre as outras capitais estão querendo inibir este tipo de ação. Dizem que cego não põem venda por que os aleijados tomam conta. Quando todos seguem o mesmo caminho, estão apoiando o gueto vivenciado, praticado pelo seu ilustre Presidente Temer, essa pratica é com certeza desumano, o caminho não é só as câmeras, está faltando algo muito mais importante.n QUANDO o comércio centralizado começa a fechar as portas é sinal que a economia não anda bem. É daí que deve surgir a ideia de se reunir com as associações dos municípios e enviar os resultados para o seu governador, e os governos se reunir com Temer. O que está faltando senhores políticos?n Quando o repórter da bbc falou da miséria que corrói o Brasil lá em Goa na Índia, Temer respondeu? Que não persegue pobres, e citou o Bolsa Família, Bolsa família não é o grupo mais miserável, a crise e a sua falta de humanidade Temer, você jogou milhões de desempregados que outrora produziu os seus altos salários enquanto político ao gueto.n Temer não reconhece a força do povo pobre pagando os impostos mais caros do Mundo, com a queda dos empregos dos pobres, vem a queda da arrecadação, o gueto para essas pessoas é a quebra da Nação.n AGORA O PRESIDENTE TEMER, está solidário com saúde e educação, não quer reduzir recursos.n QUANDO foi questionado a alternativa de elevar impostos a parcela mais rica da população, O PRESIDENTE deixou no ar a intensão de estudar essa medida, e as grandes empresas que o governo empresta e ficam rolando as dívidas com o dinheiro produzido por essas pessoas que o seu governo empurrou para o gueto?n Vocês sabiam que um ser humano mal alimentado, pode sofrer tuberculose e do tipo mais grave.n Brasil é o pior país para meninas na américa do sul.n ACORDO internacional que limita uso de gás de efeito estufa, JOÃO DE DEUS FERREIRA afirma para o Brasil e o Mundo, que HIDROFLUORCARBONETO e outros tipos de gases, não faz as florestas crescerem com rapidez, sem a ajuda do homem.n TEMER prove para os Brasileiros que você gosta de pobres.n JATENE eu sonhei que você cantava igual um passarinho, em uma gaiola muito pequena e eu não erro nos meus sonhos.n n JOÃO DE DEUS FERREIRA O HOMEM n n