Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de outubro de 2016. Atualizado às 23h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 14/10/2016. Alterada em 13/10 às 20h44min

Kellogg adquire a Parati por R$ 1,38 bilhão

Além da fábrica em São Lourenço do Oeste (SC), grupo possui unidades em outros estados brasileiros

Além da fábrica em São Lourenço do Oeste (SC), grupo possui unidades em outros estados brasileiros


PARATI/DIVULGAÇÃO/JC
Guilherme Daroit, com agências
A Kellogg anunciou, nesta quinta-feira, a compra da Ritmo Investimentos S.A., controladora da fabricante de alimentos Parati e também das empresas Pádua e Afical, por R$ 1,38 bilhão. É a maior aquisição do grupo norte-americano já realizada na América Latina, e está dentro de estratégia da Kellogg de avançar na área de petiscos e em mercados emergentes. A aquisição da Ritmo Investimentos será feita toda em dinheiro, por meio da subsidiária Pringles Serviços e Comércio de Alimentos Ltda. e deve ser concluída até o fim do ano, afirmou a Kellogg. Pelo câmbio atual, o valor é equivalente a US$ 429 milhões.
O grupo Parati, que tem faturamento anual de cerca de R$ 600 milhões e sede em São Lourenço do Oeste (SC), foi fundado em 1972 por imigrantes italianos. A companhia tem 3,2 mil funcionários e vende 100 mil toneladas de alimentos por ano, entre biscoitos, cereais e refrescos. Com 78 mil m2 de área construída, a empresa mantém 47 linhas de produção e mais de 150 diferentes produtos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia