Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 09 de outubro de 2016. Atualizado às 18h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 09/10 às 18h52min

Fed: decisão de manter os juros na reunião de setembro foi ''por um triz''

O vice-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Stanley Fischer, afirmou neste domingo que a decisão de manter as taxas de juros na faixa de 0,25% a 0,50% na reunião de setembro da autoridade monetária foi "por um triz" e disse esperar apenas "aumentos graduais" no futuro.
Segundo Fischer, o mercado de trabalho tem se recuperado mais lentamente do que visto, historicamente, após recessões anteriores e, além disso, a inflação tem subido muito devagar para a meta de 2% do Fed. Para ele, foi essa combinação de fatores que fez os dirigentes decidirem esperar para elevar os juros.
"Com o mercado de trabalho sendo preenchido num ritmo mais lento do que nos anos anteriores, o espaço contínuo para melhoras no mercado de trabalho, e a inflação abaixo da meta, nós escolhemos esperar por novas evidências de progresso em direção aos nossos objetivos", disse Fischer em discurso.
"Nossa decisão foi por um triz e deixar os juros inalterados não reflete falta de confiança na economia", reiterou.
Olhando para o futuro, o vice-presidente do Fed disse que não prevê a necessidade de elevações altas. De acordo com Fischer, as taxas neutras reais de juros - a taxa na qual o mercado de trabalhando está funcionando a pleno vapor e a inflação está baixa e estável - caíram, o que significa que a política monetária do Fed agora é "moderadamente acomodatícia".
"Parece haver pouco risco de ficar atrás da curva no futuro próximo, e aumentos graduais dos juros provavelmente serão suficientes para levar a política monetária a uma posição neutra nos próximos anos", disse Fischer.
Ainda assim, Fischer não discutiu quando essas elevações de juros vão acontecer. A expectativa de alguns dirigentes é de que haja uma alta até o fim do ano. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia