Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de outubro de 2016. Atualizado às 23h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

Notícia da edição impressa de 07/10/2016. Alterada em 06/10 às 20h58min

Emprego no agronegócio gaúcho registra quinta queda em 2016

O mês de agosto registrou um saldo negativo de 1.738 postos de trabalho com carteira assinada no agronegócio do Rio Grande do Sul, com um total de 11.502 admissões e 13.240 desligamentos, o que representa uma queda de 0,5% no número total de empregos formais do setor, comparativamente a julho de 2016. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pela Fundação de Economia e Estatística (FEE). Trata-se do quinto mês consecutivo de perda de empregos no Rio Grande do Sul. Comparativamente a agosto de 2015, o estoque de empregos com carteira assinada no agronegócio gaúcho apresenta queda de 1,3%.
Dois dos três segmentos que compõem o agronegócio registraram saldo positivo de empregos em agosto. No segmento "dentro da porteira", formado de atividades características da agropecuária, foram criados 735 postos de trabalho, o que equivale a uma alta de 0,9% no estoque. Os setores de destaque nesse segmento foram os de produção de lavouras temporárias (mais 404 postos; alta de 1,3% no estoque) e permanentes (mais 171 postos; alta de 1,9% no estoque).
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia