Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de setembro de 2016. Atualizado às 20h58.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2016

30/09/2016 - 20h02min. Alterada em 30/09 às 20h59min

MP Eleitoral pede arquivamento de denúncia contra Marchezan Júnior

Promotoria eleitoral não encontrou irregularidades nos equipamento apreendidos

Promotoria eleitoral não encontrou irregularidades nos equipamento apreendidos


Reprodução JC
O Ministério Público Eleitoral solicitou no final da tarde desta sexta-feira (30) a extinção de denúncia contra o candidato à prefeitura de Porto Alegre Nelson Marchezan (PSDB). Nesta manhã, a pedido do próprio MP, foi cumprido um mandato de busca e a apreensão em uma empresa que presta serviços ao candidato. No entanto, nenhuma irregularidade foi verificada nos computadores apreendidos no local.
O MP Eleitoral havia recebido uma denúncia anônima afirmando que na sede da empresa KM Limpezas Especiais, localizada no bairro Menino Deus, funcionaria um comitê irregular de campanha de Marchezan e da candidata a vereadora Fê Jardim (PP). A informação era de que os computadores no local pertenceriam à Procempa (Companhia de Processamento de Dados do Município de Porto Alegre). De acordo com o despacho do promotor da Justiça Eleitoral Rogerio Roque Weiler, "nenhuma irregularidade foi verificada pelo Ministério Público após a apreensão dos aparelhos".
Marchezan usou as redes sociais e na sequência convocou uma coletiva de imprensa, desmentindo a denúncia, que chamou de caluniosa, e acusando seus adversários de tentar mancher sua candidatura. "Estão tentando dizer que somos iguais a eles e vamos ganhar a eleição, pois somos diferentes. Não teremos dinheiro de caixa dois e de fornecedores ou de cargos em comissão que doam esbanjadamente com medo de perder seus empregos", afirmou.
A Procempa também emitiu uma nota pública, assinada pelo diretor-presidente Mario Teza. Na nota, Teza afirma não que "não tem conhecimento prévio de uso eventual de computadores de sua propriedade em atividades privadas, dentro ou fora do âmbito da Prefeitura". A nota explica ainda que a empresa possui 12.816 equipamentos ativos e operacionais, todos com número de registro de patrimônio, e que a diretoria da Procempa "está à disposição dos órgãos de fiscalização para apurar se algum computador teve seu uso desviado".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia