Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de setembro de 2016. Atualizado às 22h33.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2016

Notícia da edição impressa de 30/09/2016. Alterada em 29/09 às 21h10min

Crime organizado preocupa Mendes

Ministro Gilmar Mendes

Ministro Gilmar Mendes


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
Ao reforçar, nesta quinta-feira, a necessidade de investigação dos assassinatos de candidatos que participam das eleições deste ano, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, também manifestou preocupação com a participação do crime organizado no processo eleitoral. Questionado se poderia ser feito algo para impedir isso, Mendes respondeu que não há como impedir que pessoas ligadas a milícias, ao narcotráfico ou a facções se candidatem, a menos que haja algum fato capaz de impugnar as candidaturas. Para o ministro, as investigações têm que ser feitas com muito cuidado, e a imprensa pode ajudar também.
"A polícia e os órgãos de investigação têm que dar atenção a esses desdobramentos. Não é possível simplesmente impedir que essas pessoas se candidatem se elas não forem atingidas por lei de inelegibilidade ou não estiverem respondendo a um processo que pudesse levar a uma eventual impugnação. É preciso que isso seja examinado com cuidado, mas aí acho que a própria imprensa pode ajudar muito o Brasil, porque a última coisa que podemos desejar é a presença do crime organizado no sistema político", afirmou Mendes.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia