Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 21h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

STF

Alterada em 27/09 às 21h45min

Ministro do STF desbloqueia bens de Marcelo Odebrecht

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio, concedeu uma liminar nesta terça-feira (27), desbloqueando os bens pessoais do empreiteiro Marcelo Odebrecht.
A defesa de Odebrecht ingressou no último dia 16 com um mandado de segurança no STF pedindo a livre-movimentação de seus bens pessoais. Odebrecht foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 19 anos e 4 meses de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa na Operação Lava Jato.
O pedido da defesa e a liminar de Marco Aurélio se estendem aos executivos Márcio Faria e Rogério Araújo, ex-diretores da Odebrecht, e a César Rocha, ligado à empreiteira. A defesa de Odebrecht alegou ao STF que o bloqueio de bens e valores em contas bancárias "inviabiliza a sua sobrevivência e de suas famílias".
"Ante o quadro, defiro o pedido liminar, autorizando a livre movimentação dos bens de Marcelo Bahia Odebrecht, César Ramos Rocha, Márcio Faria da Silva e Rogério Santos de Araújo que tenham sido indisponibilizados considerado o acórdão nº 2.109/2016, do Tribunal de Contas da União", comunicou o ministro Marco Aurélio em sua decisão.
No início deste mês, Marco Aurélio suspendeu decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que determinou a indisponibilidade dos bens da empreiteira Odebrecht no valor de até R$ 2,1 bilhões referentes ao contrato de construção da Refinaria Abreu e Lima. O ministro alegou não reconhecer a órgão administrativo, como é o TCU, poder dessa natureza.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia