Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de setembro de 2016. Atualizado às 16h58.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

22/09/2016 - 12h33min. Alterada em 22/09 às 17h02min

Parlamentares petistas reagem e chamam de espetáculo prisão de Mantega

Maria do Rosário afirmou que a medida "revela perseguições" e abuso das prisões

Maria do Rosário afirmou que a medida "revela perseguições" e abuso das prisões


Alex Ferreira/Câmara dos Deputados/JC
A prisão do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega na 34ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta quinta-feira (22), gerou repercussão entre aliados e oposição do Partido dos Trabalhadores (PT).
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) chamou de "espetáculo" e "humilhação" em suas redes sociais. "Retiram o Guido do centro cirúrgico onde a mulher seria operada", reclamou a petista, que também é investigada na operação e já teve o marido e ex-ministro, Paulo Bernardo, preso pela Lava Jato.
O deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), ex-ministro do governo Luiz Inácio Lula da Silva, manifestou-se via redes sociais lembrando que Mantega tem endereço conhecido. "Acionado, já colaborou com a Justiça. Prender no hospital parece abuso. Pra quem o conhece é chocante!", criticou Silva.
Para a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), a medida "revela perseguições" e abuso das prisões. "Mantega foi preso no hospital, onde esperava a esposa sair de cirurgia. Deixou o filho ali sozinho. Que risco oferece? Espetáculo deplorável", disse Rosário, no Twitter.
Paulo Pimenta (PT-RS) também mostrou-se indignado em postagem na mesma rede social. "Prender alguém no hospital, no momento em que acompanha a cirurgia da esposa com câncer, é covardia. Não oferece risco, não tinha necessidade", afirmou Pimenta. O líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA), existe perseguição política e não há prova. Segundo Florence, o partido questiona fundamentos e condições em que a prisão ocorreu.
O presidente do PT, Rui Falcão, disse que a prisão é mais uma tentativa de desgastar a imagem do partido às vésperas da eleição. "Foi uma desumanidade inaceitável. A operação não deveria chamar Arquivo X, mas sim Operação Boca de Urna", afirmou Falcão.
Na oposição, o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC), afirmou que a prisão temporária mostra que todos que atuam no mundo da corrupção devem ser punidos. "Todos aqueles que tiveram algum contato com coisas ilícitas e atos de corrupção feitos a partir do exercício de cargos públicos ou da atividade política devem ser exemplarmente punidos, seja quem for", disse Bauer.
Com informações de agências de notícias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia