Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de setembro de 2016. Atualizado às 19h18.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Crise Política

Alterada em 01/09 às 19h19min

Em recurso ao STF, PSDB alegará que fatiamento do impeachment é inconstitucional

Segunda votação no Senado decidiu por manutenção dos direitos políticos de Dilma

Segunda votação no Senado decidiu por manutenção dos direitos políticos de Dilma


MARCOS OLIVEIRA/AGÊNCIA SENADO/JC
O PSDB confirmou, por meio de nota que irá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) da decisão do Senado Federal de fatiar a votação do impeachment de Dilma Rousseff, o que acabou preservando o direito da ex-presidente de exercer funções públicas. O documento será subscrito também por PPS e DEM.
"Após fazer uma avaliação dos efeitos do fatiamento da votação do impeachment e de tomar conhecimento da iniciativa da defesa da ex-presidente Dilma Rousseff, que solicita a anulação da sessão de ontem do Senado, o PSDB, DEM e PPS decidiram protocolar nesta sexta-feira (02) um mandado de segurança coletivo junto ao Supremo Tribunal Federal (STF)", diz a nota.
O documento alega que a decisão é inconstitucional, de forma que a aprovação do impeachment, por si só, é suficiente para a inabilitação da ex-presidente para o exercício de funções públicas, bem como para a caracterização de sua inelegibilidade pelo prazo de oito anos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia