Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de setembro de 2016. Atualizado às 14h28.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

29/09/2016 - 14h06min. Alterada em 29/09 às 14h29min

Na Venezuela, pesquisa mostra que 67,8% desejam saída de Maduro da presidência

Uma pesquisa divulgada pelo instituto Verebarómetro mostrou que 67,8% dos venezuelanos votariam contra o presidente Nicolás Maduro em um eventual referendo revogatório. O estudo, difundido na quarta-feira, tem margem de erro de 2,37 pontos porcentuais e é realizado em um momento de aguda crise econômica no país.
A pesquisa mostrou que apenas 23,5% dos eleitores consultados votaria pela permanência do presidente. A oposição da Venezuela deseja realizar um referendo revogatório contra Maduro ainda neste ano, já que caso a votação ocorra depois de 10 de janeiro e Maduro perca o mandato será concluído pelo vice-presidente. Se o presidente perdesse a votação antes dessa data, seriam convocadas novas eleições.
O Conselho Nacional Eleitoral decidiu na semana passada que a oposição precisa coletar assinaturas de 20% de todos os eleitores em cada Estado, durante um período de apenas três dias a partir de 26 de outubro. Caso consiga, o referendo será marcado para o primeiro trimestre do próximo ano, disse o órgão. A oposição criticou o comportamento do conselho dominado pelos governistas, argumentando que a eleição presidencial não ocorre diferentemente em cada Estado, mas em nível nacional. Ainda assim, a Mesa de Unidade Democrática, a coalizão oposicionista, afirmou que manterá a iniciativa.
Mesmo que um vice apontado por Maduro continue o governo, a consultoria Eurasia aponta que esse nome teria pouca legitimidade, o que poderia levar a uma transição de poder negociada. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia