Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de setembro de 2016. Atualizado às 16h13.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

20/09/2016 - 16h11min. Alterada em 20/09 às 16h15min

Obama pede 'correção de rumo' da globalização para evitar nações mais divididas

Obama fez ainda críticas indiretas a Donald Trump, candidato republicano à presidência dos EUA

Obama fez ainda críticas indiretas a Donald Trump, candidato republicano à presidência dos EUA


Drew Angerer/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP/JC
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu uma "correção de rumo" da globalização, de modo a evitar que as nações se tornem mais divididas. Em discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Obama também admitiu que a entidade e outros poderes mundiais têm capacidade limitada para resolver os desafios mais profundos do mundo e reforçou que o conflito no Oriente Médio "não será facilmente revertido".
"Se formos honestos, sabemos que nenhum poder externo será capaz de forçar comunidades de diferentes religiões e grupos étnicos a coexistirem por muito tempo", afirmou Obama. "Até que as questões sobre como comunidades coexistem sejam respondidas, as brasas do extremismo continuarão queimando. Incontáveis seres humanos sofrerão".
Numa referência pouco sutil ao candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump, Obama disse que "o mundo é muito pequeno para nós simplesmente construirmos um muro e evitarmos que o extremismo afete nossas próprias sociedades".
Ao fazer um diagnóstico sobre as "doenças" do mundo, Obama não deixou de criticar a Rússia. "Num mundo que deixou a era dos impérios para trás, nós vemos a Rússia tentando recuperar uma glória perdida à força", afirmou. As diferenças entre Obama e o presidente russo Vladimir Putin foram intensificadas após as tentativas frustradas das duas forças de resolver a guerra civil da Síria juntas.
O discurso ilustra o pouco progresso que foi feito no sentido de reconciliar os interesses divergentes entre os dois países. Há um ano, Obama usou o mesmo espaço para declarar que o presidente sírio Bashar Assad precisava deixar o poder, enquanto Putin fez um discurso avisando que seria um erro abandonar o ditador. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia