Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de setembro de 2016. Atualizado às 17h03.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 18/09 às 17h07min

Governador amplia segurança em Nova Iorque e diz que explosão foi ato terrorista

Acompanhado do prefeito Bill de Blasio, o governador Andrew Cuomo visitou a região onde explodiu a bomba na noite de sábado

Acompanhado do prefeito Bill de Blasio, o governador Andrew Cuomo visitou a região onde explodiu a bomba na noite de sábado


Justin LANE/POOL/AFP/JC
Agência Brasil
As autoridades de Nova Iorque ampliaram as medidas de segurança em toda a cidade após uma explosão no bairro de Chelsea deixar 29 feridos na noite do último sábado (17). A segurança foi ampliada nas estações ferroviárias, nos aeroportos, nas linhas de metrô e de ônibus, informou o chefe de Polícia, James O'Neill.
O governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, explicou que um contingente extra de dez mil agentes de segurança irá patrulhar as ruas da cidade nos próximos dias. "Vamos encontrar quem fez isso e eles serão levados à Justiça", disse, acrescentando que se trata de um ato de terror, mas que não existem provas de ligação com grupos internacionais.
O prefeito da cidade, Bill De Blasio, por sua vez, pediu para que a população esteja "vigilante" e que qualquer pista sobre a autoria do crime seja entregue à Polícia.
Uma testemunha informou que a explosão "parecia  um vulcão". O forte barulho causou pânico na cidade e muitas vidraças foram quebradas. De acordo com a imprensa local, uma das vítimas foi hospitalizada em estado grave, mas não corre risco de morte.
Investigações preliminares indicam que o artefato teria explodido dentro ou nas proximidades de uma lixeira em Chelsea, no coração de Manhattan. Horas mais tarde, foi encontrada um segunda bomba caseira - uma panela de pressão ligada a um celular por alguns fios - ainda em Chelsea, a poucos quarteirões da primeira explosão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia