Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de setembro de 2016. Atualizado às 17h49.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

África do Sul

Alterada em 12/09 às 17h54min

Presidente da África do Sul devolve parte do dinheiro público usado em reforma

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, pagou ao Estado mais de US$ 500 mil após ser instruído a fazer isso, informou seu escritório nesta segunda-feira. O episódio é parte de um escândalo sobre melhorias em sua casa privada financiada com dinheiro público.
O governista Congresso Nacional Africano perdeu o controle de algumas áreas metropolitanas importantes no mês passado, em seu pior resultado eleitoral, em um momento de insatisfação dos eleitores com os casos de corrupção contra o presidente. O Tribunal Constitucional já disse que Zuma deveria devolver o montante enviado pelo Tesouro nacional, que afirmou que uma "porcentagem razoável" da soma de 7,8 milhões de rands gastos em melhorias em uma casa de Zuma não tinha relação com a segurança, por isso não deveriam ser feitas com dinheiro público. Parte do dinheiro foi gasta num centro de visitantes, em uma piscina e em um galinheiro.
Zuma levantou o dinheiro por meio de um empréstimo imobiliário e pagou ao Banco Central da África do Sul, afirmou o escritório dele. O dinheiro representa apenas 3% do total em fundos estatais gastos na casa de campo do presidente.
A Aliança Democrática, principal sigla oposicionista do país, elogiou a notícia de que Zuma devolveu parte do dinheiro. Segundo o partido, porém, o presidente deveria provar que de fato devolveu o dinheiro.
Zuma também foi acusado de permitir que uma família de indianos imigrantes que são empresários ricos selecionasse alguns ministros do gabinete. O presidente negou essas acusações. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia