Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de setembro de 2016. Atualizado às 17h06.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 09/09 às 17h06min

Obama condena teste nuclear da Coreia do Norte e sinaliza novas sanções

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, condenou o mais novo teste nuclear da Coreia do Norte e prometeu trabalhar por novas sanções contra o regime de Pyongyang.
Obama disse que condenava o teste "nos termos mais fortes possíveis", em um texto que sublinhava a intensidade das preocupações da Casa Branca com a ameaça crescente norte-coreana.
O presidente dos EUA afirmou ter conversado em separado com os líderes do Japão e da Coreia do Sul para intensificar os esforços no âmbito das Nações Unidas, para "implementar vigorosamente" as sanções internacionais já existentes e tomar "medidas adicionais, incluindo novas sanções, para demonstrar à Coreia do Norte que existem consequências para suas ações perigosas e ilegais".
Obama afirmou que o teste é uma "violação flagrante" das resoluções da ONU e "deixa claro o desrespeito da Coreia do Norte pelas normas internacionais e pelo padrões de comportamento, além de demonstrar que o país não tem interesse em se tornar um membro responsável dentro da comunidade internacional".
Ele afirmou também que "todo o espectro das forças de defesa" dos Estados Unidos irão garantir a segurança do país e de seus aliados.
"Como chefe das Forças Armadas, tenho a responsabilidade de resguardar o povo norte-americano e assegurar que os Estados Unidos está liderando a comunidade internacional ao responder a esta e outras ameaças e provocações da Coreia do Norte com a determinação necessária", disse. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia