Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de setembro de 2016. Atualizado às 19h04.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Clima

14/09/2016 - 13h00min. Alterada em 14/09 às 19h08min

Maior ciclone extratropical do ano atinge Rio Grande do Sul e gera ventos de até 95 km/h

Imagem do satélite Goes mostra o ciclone no litoral sul e a mancha preta de ar frio entrando no Estado

Imagem do satélite Goes mostra o ciclone no litoral sul e a mancha preta de ar frio entrando no Estado


Inmet/Divulgação/JC
Patrícia Comunello
O Rio Grande do Sul foi atingido pelo maior ciclone extratropical do ano, que provocou rajadas de até 95 km/h. O Uruguai também sofreu os efeitos, com ventos ainda mais fortes. Os ventos ainda são sentidos na manhã desta quarta-feira (14), mas o sistema de baixa pressão, que caracteriza o ciclone, já perde força e deve se dissipar no oceano até a noite, segundo o 8º Distrito do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).
O meteorologista Rogério Rezende informa que sai a ventania e o frio volta com tudo nesta quinta-feira (15). As mínimas podem chegar a dois graus centígrados na serra. A partir de sexta-feira (16), Rezende explica que o calor volta e fica por todo o fim de semana.
Chuí, no Sul do Estado, registrou os ventos mais fortes, com 95 km/h no fim da noite dessa terça-feira (13). Pela manhã as rajadas perderam um pouco da força, reduzindo a 85 km/h, mas ainda assim bem fortes. No litoral norte, Torres foi atingida por ventos de 73 km/h na metade da manhã. 
Em Porto Alegre, a velocidade das rajadas atingiu até 67 km/h na madrugada. A estação do Inmet, situada no Jardim Botânico, cravou 67 km/h na madrugada na região, que recuou a 61 km/n na manhã desta quarta. O MetroclimaPOA apontou rajadas de 64 km/h no bairro Sarandi, 60 km/h no Centro Histórico e 30 e 40 km/h nas demais áreas durante a noite.
Os ventos mais fortes atingem o litoral uruguaio, com estragos e queda de fornecimento de energia na faixa entre Montevidéu e Punta Del Este. Em Rocha, o Inmet encontrou ventos de 85 km/h na madrugada. Outros registros no Rio da Prata sinalizaram que a velocidade teria chegado a 120 km/h.
No Porto do Rio Grande, a entrada e saída de navios foi suspensa devido aos ventos que chegaram a 80 km/h por volta das 6h. No fim da manhã, a velocidade alcançou 65 km/h. A situação continuava no começo da noite. A travessia de lancha entre a cidade e São José do Norte também foi suspensa e voltou a ser usada no fim da tarde, após liberação da Marinha. A ligação por balsa foi interrompida na tarde dessa terça-feira e se mantinha no começo da noite desta quarta. A Marinha teve de auxiliar no transporte de uma gestante que estava em trabalho de parto e não foi possível fazer o atendimento em São José do Norte. 
Segundo Rezende, a intensidade do ciclone extratropical já é a maior neste ano e se trata de um fenômeno de transição das estações. O sistema de baixa pressão forma um redemoinho, visualizado na imagem. Entre as causas pode estar a chegada de uma frente fria. Pelo satélite Goes, visualiza-se o afastamento do redemoinho durante a manhã desta quarta em direção ao oceano. Isso explica a redução na intensidade das rajadas e da nebulosidade, esclarece Rezende.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/09/14/206x137/1_ciclone3_corte-562660.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'57d96ac8d690a', 'cd_midia':562660, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/09/14/ciclone3_corte-562660.jpg', 'ds_midia': 'Imagem de satélite Goes às 11h45min mostra o ciclone sobre o sul da América do Sul', 'ds_midia_credi': 'Inmet/Divulgação/JC', 'ds_midia_titlo': 'Imagem de satélite Goes às 11h45min mostra o ciclone sobre o sul da América do Sul', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '537', 'align': 'Left'}
A massa de ar frio, que é um sistema de alta pressão, substitui o sistema do ciclone. O meteorologista destaca ainda que o sistema atual é bem diferente do que chegou a ser chamada de supertempestade que abateu e gerou grandes estragos em Porto Alegre no fim de janeiro.
Na imagem do Goes, a mancha escura da massa de ar frio aparece sobre o Estado, entrando pelo Oeste, no registro por volta das 11h45min (horário de Brasília). O satélite gera imagens a partir da quantidade de vapor de água sobre a região. A massa de ar frio vai derrubar as temperaturas nesta quinta-feira (15). A mínima é prevista em 2 graus centígrados nas regiões mais altas, como a serra. Porto Alegre terá mínima de nove graus.
Na sexta-feira (16) e até o começo da próxima semana, o calor volta com tudo com a saída da massa da região, rumo ao Sudeste onde perderá a força. Na sexta ainda, o Interior registrará até 30 graus. Na Capital, a temperatura ficará próxima dos 28 graus. No sábado (17), as máximas vão ultrapassar 30 graus e se intensifica o bom tempo no domingo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia