Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de setembro de 2016. Atualizado às 17h44.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

CINEMA

Alterada em 01/09 às 17h47min

Ministério da Justiça reduz classificação indicativa do filme Aquarius

O Ministério da Justiça decidiu reduzir a classificação indicativa do filme Aquarius, baixando para de 18 para 16 anos

O Ministério da Justiça decidiu reduzir a classificação indicativa do filme Aquarius, baixando para de 18 para 16 anos


VITRINE FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
Após polêmica com a classe artística e com o público, o Ministério da Justiça decidiu reduzir a classificação indicativa do filme Aquarius, baixando para de 18 para 16 anos. A alteração veio após a distribuidora Vitrine Filmes entrar com recurso.
A primeira decisão foi publicada no Diário Oficial da União do dia 12 de agosto, o que fez com que ocorressem várias manifestações repudiando colocar o filme para maiores de 18 anos. A alegação era de que o filme tem cenas de "sexo explícito e drogas". Aquarius foi lançado mundialmente no Festival de Cinema de Cannes, em maio, e ganhou mais notoriedade quando a equipe e o elenco exibiram cartazes de protesto contra a movimentação política que afastou a ex-presidente Dilma Rousseff.
Na ocasião, Kleber conversou com a reportagem sobre o assunto. "Eu não quero confabular teorias de que é uma decisão política, porque eu recebi o relatório dos responsáveis e o considerei profissional, super completo, e para o meu gosto, técnico até demais. Eles não parecem olhar para o filme como um todo", ponderou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia