Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 17h43.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

inter

27/09/2016 - 17h44min. Alterada em 27/09 às 17h48min

Com time em crise e com risco de queda, diretores do Inter são ameaçados de morte

A mais recente ameaça teve como alvo o diretor de futebol Fernando Carvalho

A mais recente ameaça teve como alvo o diretor de futebol Fernando Carvalho


RICARDO DUARTE/INTER/DIVULGAÇÃO/JC
Dois dirigentes do Internacional foram alvos de ameaças de morte nesta semana, em Porto Alegre. O motivo é o risco que a equipe gaúcha tem de ser rebaixada no Campeonato Brasileiro. O primeiro a ser advertido foi o diretor executivo de futebol, Newton Drummond, o Chumbinho. Homens não identificados picharam a frente de sua casa com a mensagem "ND+B=morte", em uma referência a "Newton Drummond + Série B igual a morte". Conforme o executivo, essa foi a segunda advertência em menos de uma semana.
Já a mais recente ameaça teve como alvo o diretor de futebol Fernando Carvalho. "Sem B ou morte. FC (Fernando Carvalho) + B = morte" foi escrita na fachada do prédio em que ele possui escritório, na região central da cidade.
"Quem sofrer este tipo de coisa vai tomar as medidas necessárias", afirmou Fernando Carvalho, na manhã desta terça-feira, durante treino do Internacional, no CT Parque Gigante. No mesmo momento, cerca de 10 torcedores gritavam "mercenários" aos atletas. "É claro que a torcida está irritada, está contra algumas pessoas, mas o coloradismo vai prevalecer", destacou o dirigente.
Fernando Carvalho saiu em defesa de Chumbinho. "É uma situação muito difícil. O Newton acordou, era madrugada. Houve manifestação, não só a pichação. Ele vai tomar medidas necessárias. Ele é profissional, chegou faz um mês e a responsabilidade dele é de um mês. Além de injusto, não tem cabimento", afirmou em entrevista à rádio Gaúcha.
Na segunda-feira, manifestantes atearam fogo a um matagal ao lado do centro de treinamento, com intuito de atrapalhar a atividade física dos jogadores, que treinavam para o jogo contra o Santos, na Vila Belmiro, nesta quarta, pelas rodada de ida das quartas de final da Copa do Brasil. No sábado, o Internacional recebe o Figueirense, pelo Brasileirão. É obrigação vencer em casa, já que está na zona de rebaixamento, na 18.ª colocação, com 27 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia