Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de setembro de 2016. Atualizado às 22h14.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

rio-2016

Alterada em 14/09 às 22h18min

Daniel Dias comemora evolução do revezamento do Brasil na Paralimpíada

Depois de chegar em quarto lugar nos Jogos de Pequim-2008 e de Londres-2012, a equipe masculina de revezamento 4x100 metros livre (34 pontos) do Brasil finalmente subiu ao pódio. Na noite desta quarta-feira, na Paralimpíada do Rio de Janeiro, Daniel Dias (S5), André Brasil (S10), Ruiter Silva (S9) e Phelipe Rodrigues (S10) conquistaram a medalha de prata. A Ucrânia ficou com o ouro e a China com o bronze.
"Foi espetacular. A gente melhorou muito do que a gente tinha, curtimos demais essa medalha e curtimos demais estar no pódio juntos. Pra mim é um grande privilégio estar do lado desses caras. A gente deu o nosso máximo. Batemos na trave em Pequim-2008, batemos na trave em Londres-2012, e agora acredito que a gente fez um golaço conquistando essa medalha", afirmou Daniel Dias, que chegou a sua 21ª medalha em Paralimpíadas.
Para André Brasil, a disputa foi parelha e a grande vitória do Brasil veio no desempenho. "A prova foi muito disputada. A gente baixou cerca de 3 segundos a nossa melhor marca, é o recorde das Américas. É uma honra e um privilégio nadar ao lado do Phelipe e do Daniel. A gente vem batendo nesse quarto lugar há dois Jogos. O Ruiter veio integrar essa equipe em 2013, e é um menino que vem crescendo ano a ano, junto com o Vanilton (Filho). A outra vaga ia ficar entre os dois", destacou o nadador.
Phelipe Rodrigues chegou a passar mal logo depois de deixar a piscina, mas não se incomodou. Ele estava muito feliz com a medalha. "No revezamento a gente dá a vida. Dei o que tinha que dar ali, saí dali mal pra caramba, mas com o sentimento de que eu fiz o que tinha que fazer", afirmou.
O revezamento de 34 pontos conta com atletas de classes diferentes. Maior medalhista do País, Daniel Dias foi o primeiro a entrar na piscina e competiu com atletas mais velozes do que ele, o que deixou a equipe brasileira para trás nos primeiros 100 metros. Na sequência, André Brasil recuperou tempo, e Ruiter Silva entregou para Phelipe Rodrigues com a equipe em quarto lugar. Nos 100 metros finais, Phelipe garantiu o pódio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia