Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de setembro de 2016. Atualizado às 23h24.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 09/09/2016. Alterada em 08/09 às 23h23min

Primeira medalha de ouro vem no salto para cegos

Ricardo confirma a tradição familiar, já que sua irmã também é medalhista no atletismo

Ricardo confirma a tradição familiar, já que sua irmã também é medalhista no atletismo


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
Antes de Daniel Dias entrar na piscina, o Brasil já tinha sua primeira medalha de ouro nas Paralimpíadas. No salto em distância T11 (para atletas com cegueira total), Ricardo Costa alcançou a marca de 6m52. Ele liderou a prova a maior parte do tempo, mas foi ultrapassado no penúltimo salto pelo norte-americano Lex Gillette, que fez a marca de 6,44m. No penúltimo salto, o brasileiro cravou a marca para 6,43m, mas não sentiu a pressão de ter apenas mais uma chance de saltar para o ouro.
Na derradeira tentativa, ele fez bom uso da tábua de impulsão, esticou as pernas o máximo que pôde e cravou o salto que o levou ao posto mais alto do pódio. O ucraniano Ruslan Katyshev, campeão olímpico em 2012, ficou com a medalha de bronze e completou o pódio, com a marca de 6,20m.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia