Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de setembro de 2016. Atualizado às 19h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 29/09 às 19h43min

Dólar avança ante libra e iene, em meio a preocupações com o Deutsche Bank

O dólar se fortaleceu ante seus principais rivais nesta quinta-feira (29) - com exceção do euro -, ao passo em que os investidores migravam para divisas consideradas seguras, com os temores sobre a saúde do banco alemão Deutsche Bank.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar subia para 101,07 ienes, de 100,70 ienes na tarde de ontem, enquanto a libra caía para US$ 1,2973, de US$ 1,3015. O euro, no entanto, subiu para US$ 1,1220, de US$ 1,1213.
Uma matéria veiculada pela Bloomberg afirmou hoje que uma série de fundos clientes do DB retirou dinheiro e buscou zerar posições junto à instituição. Enquanto isso, o Wall Street Journal reportou que os clientes do banco estão manifestando preocupações crescentes sobre sua exposição à empresa, fazendo com que executivos reafirmassem suas garantias sobre a estabilidade do banco.
O Deutsche Bank tem estado no epicentro das preocupações sobre a performance dos bancos europeus, em face de uma economia fraca, baixas taxas de juros e empresas debilitadas no bloco.
Mas os investidores também digeriram novos dados sobre a economia americana e discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos). Um relatório do Departamento do Comércio mostrou que o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA cresceu em um ritmo levemente mais acelerado no segundo trimestre do que o esperado.
Comentários de autoridades monetárias sobre o ritmo da elevação de juros nos EUA foram mistos, com alguns dirigentes indicando um desejo por aperto monetário, enquanto outros enfatizaram a necessidade de paciência. "Os mercados provavelmente vão lutar para precificar isso completamente no curto prazo, dada a possibilidade do surgimento de novos riscos antes da reunião do Fed de dezembro", disseram analistas do BNP. O dólar tende a se fortalecer com maiores perspectivas de aumento monetário nos EUA, uma vez que ganha atratividade para investidores em busca de rendimentos.
A moeda americana também se fortaleceu na comparação com moedas de países ligados ao petróleo, que viu seus contratos recuarem hoje. No fim da tarde, o dólar subia para 1,3151 dólares canadenses.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia