Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de setembro de 2016. Atualizado às 20h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 28/09 às 20h29min

Dólar avança em Nova Iorque ante iene e euro, influenciado por Fed e petróleo

O dólar avançou em relação ao iene e ao euro nesta quarta-feira (28), dia marcado por depoimentos de diversos dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e por movimentos bruscos no mercado de petróleo. Em contrapartida, a moeda norte-americana recuou ante divisas fortemente ligadas à commodity, como o peso mexicano.
Ao final da tarde em Nova Iorque, perto do horário de fechamento das bolsas, o dólar subia a 100,70 ienes, de 100,35 ienes de ontem, e recuava a 19,3952 pesos mexicanos, de 19,4332 pesos mexicanos de ontem. Já o euro caía a US$ 1,1213, de US$ 1,1221.
Uma série de dirigentes do Fed discursou e participou de sessões de perguntas e respostas nesta quarta-feira, inclusive a presidente da autoridade monetária, Janet Yellen, que prestou depoimento na Comissão de Regulação e Supervisão da Câmara dos Deputados. Yellen afirmou que não há um "cronograma fixo" para elevar os juros nos Estados Unidos.
No mercado de commodities, o petróleo disparou, chegando a subir mais de 6% no intraday, após confirmações de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) chegou a um acordo para cortar a produção diária de petróleo. Com o mercado saturado, a notícia fez os preços saltarem e influenciou os mercados. O peso mexicano, por exemplo, chegou ao nível mais forte ante o dólar desde meados de setembro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia