Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 21h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 27/09 às 21h31min

Grécia aprova projeto de lei polêmico que visa desbloquear US$ 3 15 bilhões em ajuda

Os legisladores da Grécia aprovaram nesta terça-feira um projeto de lei destinado a desbloquear 2,8 bilhões de euros (US$ 3,15 bilhões) em ajuda para o país, que inclui planos profundamente impopulares para transferir companhias de saneamento controladas pelo Estado para um fundo de privatização.
A Grécia está esperando atender as condições necessárias para ser paga a próxima parcela da ajuda de seu terceiro resgate no valor de até de 86 bilhões de euros esta semana, à frente de uma reunião de ministros de Finanças da zona do euro no dia 10 de outubro que pode cancelar o pagamento.
A lei foi aprovada com o apoio dos dois partidos que formam o governo de coalizão - o de esquerda Syriza e pequenos de direita e o Gregos Independentes. Dos 300 legisladores, 152 aprovaram o projeto de lei e 141 rejeitaram, com sete abstenções.
Mais da metade da parcela do auxílio está prevista para ser usada pelo governo grego para pagar a dívida com o setor privado que alcança em torno de 5,5 bilhões de euros, ou 3% do Produto Interno Bruto (PIB).
O projeto de lei inclui alterações sobre as reformas das pensões e da transferência de várias explorações públicas para o fundo de privatizações, incluindo a participação da Grécia em duas empresas de saneamento, a EYDAP e a EYATH.
Para superar a oposição ao projeto de lei, as autoridades governamentais gregas argumentam que não há plano para vender as empresas de saneamento e que elas serão movidos para o fundo como parte de uma reforma mais ampla que visa melhorar a gestão do patrimônio do Estado.
A legislação também aumenta as contribuições para a segurança social pagas pelos agricultores e empresas no setor do turismo e reduz um desconto fornecido para profissionais autônomos recém-registrados.
Nesta terça-feira, os funcionários das duas empresas de saneamento realizaram uma greve de 24 horas para protestar contra a proposta de transferência.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia