Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 27/09 às 18h41min

Bovespa sobe 0,57% puxada por ações de bancos

A Bovespa chegou a cair mais de 1% pela manhã, mas inverteu o sinal à tarde, comandada por ações de bancos, que passaram a recuperar perdas recentes. Ao final dos negócios, o Índice Bovespa marcou 58.382,48 pontos, com ganho de 0,57%. O volume de negócios somou R$ 5,72 bilhões.
A alta do Ibovespa foi limitada pela queda das ações da Petrobras, que se mantiveram em terreno negativo por todo o dia, puxadas pelas perdas do petróleo. Os preços da commodity chegaram a cair mais de 3% nas bolsas de Nova York e Londres, influenciados pelas especulações pessimistas em relação à possibilidade de acordo na reunião de amanhã de grandes produtores de petróleo. Ao final do pregão, Petrobras ON e PN recuaram 0,34% e 2,09%, respectivamente.
Pela manhã, o mau humor com a queda do petróleo se somou às preocupações com os riscos de efeitos colaterais da crise vivida pelo Deutsche Bank. Uma das principais expectativas gira em torno da possibilidade de o Deutsche receber ajuda oficial. Ontem as ações do banco alemão caíram 7,54% e hoje os papéis chegaram a recuar mais uma vez, antes de uma leve recuperação que as levou à estabilidade. Essa ligeira melhora favoreceu um movimento de recuperação de preços de ações de bancos nos Estados Unidos e no Brasil.
O Relatório Trimestral de Inflação (RTI), relativo ao terceiro trimestre de 2016, foi o principal destaque do cenário interno. O documento divulgado pelo Banco Central mostrou que ainda há dúvidas no que diz respeito à desaceleração da inflação, mas já mostrou projeções compatíveis com o alcance das metas para os próximos anos. A percepção de queda de juros no curto prazo levou à queda das taxas no mercado futuro, que já consideram um corte da taxa Selic na próxima reunião do Copom, em outubro.
Os efeitos na Bovespa foram vistos principalmente em ações de empresas de consumo e aquelas com alto financiamento interno, além dos bancos. Entre esses papéis, destaque para EcoRodovias (+2,76%), Bradesco PN (+2,08%), Lojas Renner ON (+1,73%) e Santander Brasil Unit (+1,72%). Com o resultado de hoje, o Ibovespa passa a contabilizar alta de 0,83% em setembro e de 34,68% no acumulado de 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia