Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 22h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Notícia da edição impressa de 28/09/2016. Alterada em 27/09 às 22h59min

OMC prevê crescimento mais fraco do comércio

É preciso evitar políticas que tornem a situação pior, disse Azevêdo

É preciso evitar políticas que tornem a situação pior, disse Azevêdo


ALAIN GROSCLAUDE/AFP/JC
O comércio mundial neste ano crescerá ao ritmo mais fraco desde a crise financeira global, o que deve servir como um "alerta", diante do crescente movimento contra a globalização, afirmou nesta terça-feira a Organização Mundial de Comércio (OMC). A entidade sediada em Genebra, responsável por garantir o cumprimento de regras que governam o comércio global, reduziu sua previsão para o crescimento nas importações e exportações neste ano e no próximo e agora prevê uma alta de apenas 1,7% em 2016 e 1,8% em 2017, quando em abril esperava respectivamente 2,8% e 3,6%.
"A dramática desaceleração no crescimento do comércio é séria e deveria servir como um alerta", disse Roberto Azevêdo, diretor-geral da OMC. Segundo ele, isso é particularmente preocupante em um contexto de crescente sentimento antiglobalização. É preciso, apontou Azevêdo, evitar políticas que acabem por tornar a situação pior, "não apenas da perspectiva do comércio, mas também da criação de empregos e do crescimento econômico e do desenvolvimento, que estão tão intimamente ligados a um sistema comercial aberto".
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia