Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de setembro de 2016. Atualizado às 17h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

empresas

Alterada em 27/09 às 17h28min

Presidente da Shell diz a Temer que vai ampliar investimentos no Brasil

Agência Brasil
Em reunião com o presidente Michel Temer, o presidente da Shell, Ben Van Beurden, reiterou o interesse da multinacional em manter e ampliar os investimentos no Brasil, em especial as parcerias com a Petrobras. Segundo ele, há um "clima propício aos investimentos no Brasil" devido a fatores como segurança e estabilidade de regras do marco regulatório e das leis.
No encontro ocorrido na tarde de hoje (27) no Planalto, Beurden reafirmou que o Brasil está entre os principais focos de investimentos da Shell, e que o Brasil, além de ser o destino de 15% do que é investido pela multinacional, é responsável por um percentual que varia entre 10% e 15% do que é produzido por ela.
"Temos planos para um futuro juntos. Viemos aqui para falar sobre a confiança que temos no país e sobre alguns pontos que podem ser aperfeiçoados", disse Beurden após ter participado de reuniões no Ministério de Minas e Energia e com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, além do encontro com Temer. "Estou muito confiante do que podemos fazer juntos."
Apesar de se recusar a comentar o cenário político brasileiro, Beurden disse que "o importante, em relação aos últimos acontecimentos políticos, é criar no Brasil um clima propício aos investimentos, com segurança e estabilidade das regras do marco regulatório e das leis".
Outros fatores citados por ele sobre atrativos do Brasil para investimentos são a geologia, o talento das pessoas e a facilidade para se fazer negócios. "Essa combinação faz do Brasil um dos lugares mais atraentes para a Shell, que tem um programa bilionário de investimentos", acrescentou.
"A expectativa é de aumentá-los e fazer com que a empresa seja um dos maiores investidores diretos no Brasil na próxima década", completou.
Em relação às parcerias com a Petrobras, o presidente da Shell diz que, conforme mostram os planos de investimentos pretendidos pela estatal brasileira, a prioridade continua sendo o pré-sal, onde tem investimentos conjuntos com a Shell.
"A Petrobras tem feito escolhas adequadas em seus programas de investimento. Quero que essa seja uma das parcerias mais estratégicas da Shell no mundo. Tenho confiança na parceria das empresas".
Sobre a conversa com Temer, Beurden disse que a mensagem principal que teve do presidente brasileiro foi a de continuar dando importãncia aos estímulos econômicos e à continuidade da atração para investimentos no Brasil, e que as agendas do da Presidência e das indústrias "estão convergindo neste momento".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia