Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de setembro de 2016. Atualizado às 18h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 26/09 às 18h55min

Dólar recua em Nova Iorque ante rivais, com cautela sobre debate entre Hillary e Trump

O dólar recuou diante dos seus principais rivais nesta segunda-feira (26), em um dia de cautela com o primeiro debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton e Donald Trump. A moeda também foi afetada pela forte valorização do petróleo, que beneficiou divisas de algumas economias associadas à commodity.
Clinton e Trump vão debater às 22h (de Brasília) e os estrategistas do mercado dizem que, caso o republicano tenha um bom desempenho, o mercado acionário dos EUA e o câmbio podem ser atingidos, ao passo em que as pesquisas mostram que o magnata nova-iorquino está ganhando espaço em uma disputa muito acirrada. "O mercado está ficando nervoso sobre o debate, uma vez que as pesquisas apontam para uma eleição apertada", disse Joe Manimbo, analista da Western Union Business Solutions.
Alvin Tan, um estrategista de câmbio do Société Générale, afirmou que vai continuar observando atentamente o peso mexicano, que deve se desvalorizar caso o Trump seja visto como "vencedor" do debate. Hoje, o dólar subiu para 19,930 pesos.
Mais cedo, o iene se fortaleceu após o presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda, defender a nova estratégia do BC para inflação e crescimento. Kuroda disse que a nova orientação vai permitir um maior controle sobre os custos de financiamento e que, caso seja necessário, a primeira estratégia do banco para uma maior flexibilização de sua política seria reduzir suas metas para a taxa de depósito e rendimentos de 10 anos.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar recuava para 100,27 ienes, de 101,04 ienes no fim da tarde de sexta-feira. Enquanto isso, o euro avançava para US$ 1,1258, de US$ 1,1230.
As preocupações sobre a posição de capitais do banco alemão Deutsche Bank não atingiram o euro. As ações da empresa recuaram para o menor nível de sua história, após a imprensa relatar que a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, não estava disposta a oferecer ajuda estatal à instituição. O Departamento de Justiça dos EUA pediu US$ 14 bilhões ao banco para encerrar um caso relacionado aos seus negócios de títulos hipotecários.
A moeda americana também perdeu força ante divisas relacionadas ao petróleo, em um dia de forte avanço nos preços da commodity. No fim tarde, o dólar caía para 63,967 rublos russos e para 1,3241 dólares canadenses.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia