Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de setembro de 2016. Atualizado às 19h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Automotivo

Alterada em 23/09 às 19h43min

Metalúrgicos da GM em São José dos Campos terão salários corrigidos pela inflação

Os trabalhadores da General Motors (GM) em São José dos Campos, no interior paulista, aprovaram nesta sexta-feira (23), acordo negociado pelo sindicato que corrige os salários pela inflação.
Em termos nominais, os vencimentos dos operários do parque industrial, onde são montados a picape S10 e o utilitário esportivo TrailBlazer, serão reajustados em 9,62%, o equivalente à inflação em doze meses medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) até agosto, mês da data-base.
Os metalúrgicos da fabricante de equipamentos militares Avibras, sediada no mesmo município, conquistaram o mesmo reajuste, igualmente aprovado em assembleia realizada nesta sexta-feira. No início do mês, a Avibras e o sindicato já tinham celebrado um acordo para reduzir as demissões programadas pela empresa e garantir estabilidade de 120 dias a quem continuasse na fábrica.
De acordo com o sindicato dos metalúrgicos da região, além do reajuste salarial, o piso salarial na GM teve um aumento de 14,97%. O acordo renova ainda cláusulas sociais como a estabilidade no emprego a funcionários que sofreram alguma lesão no trabalho.
Em sua fábrica no ABC paulista, que produz os modelos Spin, Montana e Cobalt, a montadora já tinha fechado um acordo em abril que congelou os salários neste ano. Nesse caso, os metalúrgicos aprovaram a proposta para evitar demissões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia