Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de setembro de 2016. Atualizado às 18h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 23/09 às 18h49min

Petróleo fecha em forte queda, com ceticismo sobre possível acordo da Opep

Os contratos futuros do petróleo recuaram fortemente nesta sexta-feira (23), registrando a maior perda diária em dois meses, com o ceticismo sobre uma possível cooperação entre os maiores produtores globais da commodity para diminuir os excedentes da matéria-prima, que puxaram os preços por dois anos.
O preços caíram logo depois do meio dia, após uma notícia da TV americana de que a Arábia Saudita não espera que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) fechem um acordo durante a reunião da próxima quarta-feira, na capital da Argélia. Os comentários ecoam as palavras do chefe da agência de notícias da Argélia, que disse durante o fim de semana que a reunião seria informal, e não tinha como finalidade a tomada de decisões.
Os traders estão reagindo ao "desgosto e ao desapontamento", disse Donald Morton, da Herbert J. Sims Co.
O petróleo Brent para novembro, negociado na Intercontinental Exchange (LME), em Londres, fechou em queda de US$ 1,76 (-3,69%), a US$ 45,89 o barril. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para novembro fechou em queda de US$ 1,84 (-3,97%), a US$ 44,48 o barril - essa foi a maior perda diária do contrato em dois meses.
Autoridades de Petróleo do Irã e da Arábia Saudita divergiram nesta semana sobre os limites de produção enquanto se reuniam na sede da Opep em Viena, segundo o Wall Street Journal. Os países não concordaram sobre quais estatísticas seriam usadas para determinar os níveis de produção do petróleo para um possível "congelamento".
Pequenos rompantes de otimismo foram observados após notícias de confrontos internos e pela disseminação do ceticismo de traders e analistas sobre a habilidade da Opep em chegar a um acordo. Pesos pesados como Arábia Saudita, Irã e Iraque entraram em uma competição feroz para enfraquecer um ao outro e vender mais petróleo.
Analistas do Macquarie Group emitiram uma nota hoje aconselhando os traders a venderem sobre qualquer resultado das negociações da Opep. Um acordo concreto com parâmetros concretos sobre os limites da produção por todas as partes é o resultado menos provável, e, mesmo se um acordo for firmado, é possível que venha cheio de exceções e, na melhor das hipóteses, provocar um breve rali, segundo especialistas. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia