Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de setembro de 2016. Atualizado às 21h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 22/09 às 21h47min

Bolsas de Nova Iorque sobem, sob efeito do anúncio de política monetária do Fed

As bolsas de valores de Nova Iorque fecharam em alta nesta quinta-feira (22), impulsionadas pela nova garantia de que grandes bancos centrais não estão prestes a recuar de suas políticas flexíveis.
O dólar aprofundou suas perdas, dando apoio ao avanço das commodities, que são precificadas na moeda americana. Ontem, o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) manteve sua taxa de juros inalterada enquanto o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) afirmou seu comprometimento com o aperto monetário e reparou sua política, aliviando as preocupações dos investidores sobre uma possível mudança de direção.
"Quando um evento incerto é encerrado, os mercados avançam de forma correspondente", disse Jeffrey Yu, do UBS Group. "Investidores que esperaram em antecipação à decisão do Fed se sentiram confortáveis sobre focarem nas ações de novo, particularmente em papéis sensíveis a taxa de juros, segundo Yu.
O índice Dow Jones ganhou 98,76 pontos (+0,54%) e fechou aos 18.392,46 pontos; o S&P 500 avançou 14,06 pontos (+0,65%), para 2.177,18 pontos; e o Nasdaq subiu 44,34 pontos (+0,84%) encerrando aos 5.339,52 pontos e superando o recorde de fechamento registrado ontem. Todos os 11 setores do S&P 500 subiram, nesta quinta-feira, liderados pelas ações do mercado imobiliário, que subiram 1,9%.
Enquanto é provável que o BoJ lute por mais tempo para impulsionar a inflação e o mercado possa oscilar caso o Fed decida elevar juros em dezembro, por ora, pelo menos, "não houve surpresas desagradáveis", disse Daniel Morris, estrategista do BNP Paribas Investment Partners.
Companhias de energia e mineração experimentaram um rali, ao passo em que os contratos de petróleo avançavam, beneficiados pela queda do dólar. Com a moeda mais fraca e um recuo dos estoques norte-americanos da commodity, o petróleo chegou aos US$ 46,32 nas negociações nos EUA.
No terreno positivo, estão petroleiras como a ExxonMobil (0,29%) e a Chevron (0,35%). No lado das perdas, está a Pfizer, cujas ações recuaram 0,38%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia