Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de setembro de 2016. Atualizado às 23h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Notícia da edição impressa de 22/09/2016. Alterada em 21/09 às 23h46min

Países precisam rever políticas de crescimento

Pela primeira vez, EUA terá expansão inferior a da União Europeia

Pela primeira vez, EUA terá expansão inferior a da União Europeia


SPENCER PLATT/GETTY IMAGES/AFP/JC
A economia mundial deve crescer 2,3% este ano, abaixo dos 2,5% registrados em 2014 e 2015, segundo previsão da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad, na sigla em inglês). Para que a economia global volte a crescer, o órgão das Nações Unidas diz que os países precisam rever suas políticas econômicas e adotar políticas macroeconômicas mais ousadas, além de medidas industriais mais ativas. As propostas estão no Relatório sobre o Comércio e o Desenvolvimento, divulgado ontem pela entidade.
Uma mudança brusca nas taxas de juros de Estados Unidos, Europa e Japão, hoje perto de zero, traria, no entanto, problemas para as nações em desenvolvimento. A Unctad prevê que, pela primeira vez, o crescimento dos Estados Unidos será menor do que o da União Europeia, 1,6% ante 1,8% de avanço econômico no bloco. O Brasil deve encolher 3,2% neste ano, novo tombo após a retração de 3,8% do ano passado.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia