Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de setembro de 2016. Atualizado às 17h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/09 às 17h57min

Petróleo cai com dados mistos do DoE e plano de retomada da exportação pela Líbia

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda nesta quarta-feira com os investidores reagindo a dados mistos sobre os estoques calculados pelo Departamento de Energia (DoE) dos Estados Unidos e aos planos da Líbia de retomar a exportação a partir de um porto que estava fechado há dois anos.
Em meio a preocupações com o excesso de oferta da commodity, o WTI para outubro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em queda de 2,93%, a US$ 43,58 por barril. Já o Brent para novembro, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres, recuou 2,65%, a US$ 45,85 por barril.
O relatório semanal dos estoques de petróleo nos EUA, feito pelo DoE, mostrou que houve queda de 559 mil barris em relação à semana anterior, contrariando as expectativas dos analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam alta de 5,4 milhões. Por outro lado, os estoques de destilados ficaram muito acima da previsão de alta de 1,4 milhão, subindo 4,6 milhões, e a produção de petróleo nos EUA subiu 35 mil barris por dia (bpd), para 8,5 milhões de bpd. Na opinião de diretor da Mizuho Securities, Bob Yawger, "o relatório foi muito negativo".
Além disso, a Líbia anunciou que pretende carregar nesta noite o primeiro petroleiro no porto de Ras Lanuf depois de o local permanecer fechado por dois anos devido a disputas de poder entre governo e oposicionistas. A produção de petróleo na Líbia nos últimos anos tem sido limitada pelos problemas políticos e pela violência, e um aumento nas exportações pode impactar o mercado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia