Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de setembro de 2016. Atualizado às 08h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

12/09/2016 - 08h31min. Alterada em 12/09 às 08h36min

Bolsas asiáticas seguem EUA e têm forte baixa, em meio a especulação sobre Fed

As bolsas asiáticas fecharam com fortes perdas nesta segunda-feira (12), repetindo o comportamento dos mercados acionários de Nova Iorque no fim da semana passada, em meio a uma nova onda de especulação sobre possíveis aumentos de juros nos EUA.
Na sexta-feira, os principais índices de ações em Wall Street sofreram um tombo de mais de 2%, o maior desde que o Reino Unido votou por sua saída da União Europeia (o chamado "Brexit"), em plebiscito realizado no fim de junho.
O mau humor em Nova Iorque veio após o presidente da distrital do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) em Boston, Eric Rosengren, afirmar que há uma "justificativa razoável" para voltar a elevar juros "de forma a evitar o superaquecimento da economia".
O Fed irá revisar juros nos próximos dias 20 e 21. Rosengren, que já foi defensor de juros baixos no passado, vota nas reuniões de política monetária do BC norte-americano neste ano. A diretora do Fed Lael Brainard, que também vota em 2016, tem discurso previsto para a tarde de hoje.
Os países emergentes da Ásia são particularmente vulneráveis a eventuais aumentos de juros nos EUA, que podem levar à saída de recursos financeiros da região.
Na China, o índice Xangai Composto caiu 1,85%, encerrando o dia a 3.021,98 pontos, o menor nível em um mês, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 2,9%, a 1.977,06 pontos. Os mercados chineses também ficaram pressionados após o regulador local de valores mobiliários voltar a defender regras mais rígidas para contratos futuros de commodities.
Em outras partes da região asiática, o Hang Seng registrou a maior queda desde fevereiro em Hong Kong, de 3,36%, a 23.290,60 pontos, enquanto o japonês Nikkei caiu 1,73% em Tóquio, a 16.672,92 pontos, o Taiex cedeu 1,18% no mercado taiwanês, a 8.947,06 pontos, e o sul-coreano Kospi perdeu 2,28% em Seul, a 1.991,48 pontos, em sua maior baixa em dois meses.
A Samsung Electronics, que representa um sexto do Kospi, despencou 7%, sua maior desvalorização em um único dia em quatro anos, após fazer recall de seu recém-lançado smartphone Galaxy Note 7, que apresentou problemas de bateria.
Na Oceania, a bolsa australiana foi igualmente influenciada pela especulação sobre o Fed e terminou o pregão com a maior queda desde a vitória do Brexit. O S&P/ASX 200, que reúne as empresas mais negociadas em Sydney, caiu 2,2%, a 5.219,60 pontos.
Mercados pequenos da Ásia, incluindo os das Filipinas, Cingapura, Malásia, Indonésia e Sri Lanka, não operaram hoje devido a feriados locais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia