Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de setembro de 2016. Atualizado às 16h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 09/09 às 16h51min

Ouro fecha em queda após Rosegren, do Fed, sinalizar possível alta de juros

Os contratos futuros de ouro fecharam em queda pela terceira sessão consecutiva, com os investidores reagindo ao discurso de um dirigente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) que foi considerado hawkish (duro) para os padrões da autoridade monetária.
O ouro pra dezembro negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), recuou 0,52% nesta sexta-feira e foi a US$ 1.334,50 por onça-troy. Na semana, no entanto, o metal acumulou ganhos de 0,58%.
Hoje o mercado foi guiado pelo discurso do presidente do Fed de Boston, Eric Rosegren, que sinalizou a possibilidade de um aperto monetário estar próximo. Com direito a voto nas decisões de política monetária, Rosengren disse que uma elevação gradual nos juros é "apropriada".
Uma elevação nos juros tende a pressionar os preços do ouro, uma vez que o metal precioso não paga juros aos seus investidores e, com isso, os estimularia a procurar outros ativos atrelados às taxas. Além disso, a valorização do dólar ante outras moedas tornou o ouro mais caro para os compradores estrangeiros.
"O ouro acumulou ganhos com dados decepcionantes da economia norte-americana, mas Rosengren fez o mercado repensar suas projeções para alta de juros", afirmou Robert Haworth, estrategista sênior do U.S. Bank Wealth Management. "O ouro agora parece estar refletindo a alta do dólar e o aumento das chances de um aperto monetário em 2016", disse. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia