Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de setembro de 2016. Atualizado às 10h21.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

09/09/2016 - 10h07min. Alterada em 09/09 às 10h23min

Ministro nega que governo vá elevar jornada para 12 horas por dia

Nogueira disse que vinha do movimento sindical e que não proporia aumento de jornada

Nogueira disse que vinha do movimento sindical e que não proporia aumento de jornada


Marcelo Camargo/Agência Brasil/JC
O ministro do Trabalho, o gaúcho Ronaldo Nogueira, negou na manhã desta sexta-feira (9) que a proposta do governo do presidente Michel Temer para a reforma trabalhista pretenda elevar o limite da jornada diária de oito para 12 horas. Segundo ele, a reforma trabalhista, que deverá ser encaminhada ao Congresso Nacional no início de dezembro, quer reduzir a insegurança jurídica para combater o desemprego e a informalidade.
"Venho do meio sindical, imagina se apresentaria proposta de aumento de jornada. Serão mantidas as 44 horas de trabalho por semana", destacou. "Não se falou em aumentar a jornada para 48 horas semanais, citei apenas um exemplo hipotético." A referência foi ao debate que o ministro teve nesta quinta-feira (8) com representantes sindicais de 19 estados. "Doze horas é voltar ao tempo da escravidão, direito você mantém, não retira", disse.
A proposta foi citada em evento nesta quinta (8) com sindicalistas e foi destacada na capa do site da Agência Brasil até o começo da manhã desta sexta. Na noite desta quinta, o presidente Michel Temer ligou ao ministro para que ele negasse qualquer alteração na jornada.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/09/09/206x137/1_capa_agencia_brasil-560035.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'57d2b58a34b4f', 'cd_midia':560035, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/09/09/capa_agencia_brasil-560035.jpg', 'ds_midia': 'Capa da Agência Brasil com a chamada da notícia sobre o aumento de jornada', 'ds_midia_credi': 'Reprodução/Agência Brasil/JC', 'ds_midia_titlo': 'Capa da Agência Brasil com a chamada da notícia sobre o aumento de jornada', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '603', 'cd_midia_h': '365', 'align': 'Left'}
Nogueira enfatizou, nesta sexta, que a legislação trabalhista abre muitas margens para interpretações subjetivas. Ele argumentou que há cerca de 1.700 regras, entre normas, regulamentações e leis além da CLT. "A lei é esparsa e confusa e abre margem para interpretações", afirmou.
O ministro garantiu que não há nenhuma discussão que coloque em risco os direitos do trabalhador. "Jornada de trabalho, 13º salário, férias e fundo de garantia (FGTS) são direitos consolidados", disse.
Nogueira defendeu a pacificação da legislação a fim de evitar os processos trabalhistas que "atormentam" empresários, sobretudo - segundo o ministro - os proprietários de micro e pequenas empresas. "Se o sindicato da categoria, mediante acordo coletivo e obedecendo à vontade dos trabalhadores, preferir fazer uma jornada diferente do padrão, o juiz tem de reconhecer isso", afirmou.
O ministro deu um exemplo para ilustrar: "Tem muito trabalhador da construção civil que prefere trabalhar de segunda a sexta e folgar no sábado", afirmou. "O Estado não pode impor um jugo sobre a vontade do trabalhador", disse. "Precisamos de segurança jurídica na relação capital e trabalho", repetiu.
Ronaldo Nogueira afirmou que a confusão sobre a jornada de trabalho surgiu da má interpretação que ele deu no evento com sindicalistas na quinta-feira. "Citei o exemplo dos hospitais, que têm a jornada 12x36 que é feita mediante convenção coletiva", disse, argumentando que essas organizações sofrem "ações trabalhistas milionárias por falta de reconhecimento desse acordo coletivo".
O ministro afirmou ainda que tem conversado e que continuará debatendo as questões trabalhistas com "todos os atores", incluindo não apenas trabalhadores e patrões, mas também os tribunais do trabalho. "(O presidente Michel) Temer quer diálogo permanente", disse.
Com informações da Agência Estado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia