Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de setembro de 2016. Atualizado às 23h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

Notícia da edição impressa de 09/09/2016. Alterada em 08/09 às 22h30min

Governo do Estado aprimora ferramenta de monitoramento do clima

Trabalhos de previsão meteorológica serão aperfeiçoados, informa Marcela Nectoux

Trabalhos de previsão meteorológica serão aperfeiçoados, informa Marcela Nectoux


ANTONIO PAZ/JC
Jefferson Klein
Os estragos gerados para a população por uma tempestade ou um vendaval podem ser amenizados se as informações sobre esses fenômenos forem reveladas antecipadamente. O mesmo conceito serve para os produtores agrícolas. Devido a essa percepção, a Secretaria Estadual do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável (Sema) planeja aperfeiçoar e divulgar os trabalhos de monitoramento e previsão hidrometeorológica (que aborda questões atmosféricas e de hidrologia) da chamada Sala de Situação.
O centro de prevenção é muito utilizado atualmente para a emissão de avisos à Defesa Civil. No entanto, a presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) e secretária do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini, salienta que os dados também podem ser bem aproveitados pelo setor agrícola. Recentemente, a Sema firmou um protocolo de cooperação com a Fepagro para atuar de forma integrada e promover os trabalhos da Sala de Situação para os produtores rurais. "As vantagens são imensas para um estado agrícola como o nosso, porque a gente comanda o solo, o que vai plantar, mas não o clima", frisa a secretária. Os subsídios quanto ao clima podem facilitar as decisões sobre datas de plantio ou colheita.
O horizonte da previsão oscila, porém podem ser levantadas perspectivas de até três meses, antevendo se será um período mais seco ou chuvoso. A engenheira ambiental e hidróloga da Somar Marcela Nectoux comenta que, se for o caso, em benefício de algumas culturas agrícolas, é possível ampliar esse espaço de tempo. A empresa Somar venceu a licitação para auxiliar a Sema na operação da Sala de Situação. "A partir dessa aproximação com a Fepagro, podemos estudar o que atende melhor o produtor", diz Marcela. A Sala de Situação emite boletins diários, semanais e mensais, que podem ser acessados pelo site www.saladesituacao.rs.gov.br, lançado durante a Expointer.
A secretária do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável detalha que o centro de prevenção surgiu a partir de um convênio feito com a Agência Nacional de Águas (ANA) e com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A dirigente adianta que o sistema será aprimorado, e, dentro deste processo, o governo do Estado está elaborando uma licitação para adquirir dois radares, com custos estimados em até R$ 4 milhões cada um. Os equipamentos serão instalados em Santa Maria e Caxias do Sul.
Além dos dispositivos da própria Sema, foi formada uma rede de troca de informações para reunir dados de órgãos como o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e assinados convênios com entidades que verificam as condições meteorológicas do Uruguai, Argentina e Santa Catarina. São 279 estações hidrometeorológicas instaladas no Estado que acompanham constantemente as oscilações dos níveis dos rios e as medições das chuvas. Esses monitoramentos são essenciais para instituições como a Defesa Civil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia